Buscar

CEO da Raízen: “Mercado não percebeu a oportunidade da biomassa”

sábado, fevereiro 13, 2021




A Raízen, maior processadora de açúcar e etanol do Brasil, fechou a compra da Biosev, também do setor sucroalcooleiro, na semana passada. O montante de 3,6 bilhões de reais desembolsados no negócio representam a maior transação da história da companhia. A aquisição aumentará o volume de moagem de cana da companhia em cerca de 40%, para 90 milhões de toneladas, o que amplia a liderança da Raízen, uma joint-venture entre a brasileira Cosan e a anglo-holandesa Shell, no mercado nacional.

Para Ricardo Mussa, CEO da Raízen, no entanto, o aumento da capacidade e da liderança de mercado não são os principais benefícios da transação, ainda que o mercado tenha encarado dessa forma. “Nenhum analista sequer perguntou sobre a questão da biomassa, que é a grande sacada do negócio”, afirma Mussa. “Nos antecipamos ao mercado.”

A Raízen aposta muito no segmento de combustíveis alternativos para o futuro, em especial o biogás e o E2G, sigla para o etanol de segunda geração, obtido a partir do processamento das sobras da moagem (o bagaço). O ponto é que a disponibilidade dessa biomassa está quase no limite. Atualmente, mais de 70% da matéria-prima extraída pelas usinas da Raízen está comprometida com o atendimento de contratos já firmados. Na Biosev, é o contrário: 30% são utilizados e o restante está disponível. É essa oportunidade que, na visão de Mussa, o mercado ainda não percebeu.

Para a sucroalcooleira, os combustíveis alternativos, ou sustentáveis, são mais rentáveis, pois oferecem um prêmio pela redução das emissões de carbono, pago pelas empresas poluidoras. “Isso ainda não aparece nas análises porque é um volume pequeno, mas a tendência é de crescer rapidamente”, afirma Mussa. Incentivos na Europa e nos Estados Unidos estão fortalecendo a demanda. E a Raízen também tem planos de acessar o mercado indiano, com a venda de tecnologia para produção do E2G.


ESG melhora o desempenho

A Raízen divulgou em setembro uma série de compromissos socioambientais, como parte de um plano de 10 anos visando incutir na empresa o capitalismo de stakeholder, modelo de gestão em que o interesse das partes impactadas pela companhia (stakeholders) está acima do interesse dos acionistas. Essa estratégia foi definida a partir de uma análise das metodologias existentes.

O plano já vem dando resultado. No final do ano passado, a Moody’s elevou a nota de crédito da companhia de Ba1 para Baa3, ingressando na categoria de grau de investimento. Ao mesmo tempo, o Carbon Disclosure Project (CDP), entidade que realiza análises da pegada de carbono das empresas para o mercado financeiro, elevou a nota da sucroalcooleira também de B para A-. Segundo Mussa, a próximo fronteira a ser desbravada pela empresa, além do biogás e do E2G, será a do mercado de combustível para aviação.


Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (62) Agricultura (191) Agricultura 4.0 (2) Agroenergia (122) Agroindústria (24) Agronegócio (172) Agropecuária (47) Água (15) Àgua (1) Alimentação Saudável (7) Alimentos (342) Amazônia (51) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (73) Arte (1) Artigo (39) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation fuel (1) Aviation market (19) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (405) Biodefensivos (1) Biodiesel (301) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (91) Bioeletricidade (25) Bioenergia (186) Biofertilizantes (9) Biofuels (103) Bioinsumos (8) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) Biopolímeros (14) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (41) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (77) Bolsa de Valores (25) Brasil (33) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (24) CAR (1) Carbonatação (1) Carbono Zero (15) Carvão Ativado (8) carvão vegetal (2) CBios (62) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (11) Cerrado (18) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (345) Clima e ambiente (261) climate changed (52) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (91) Combustíveis Fósseis (33) Comércio (40) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (36) Crédito de Carbono (40) Crédito Rural (10) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (121) Curso (5) Dados (1) Davos (4) Dendê (3) Desafios (2) Desenvolvimento Sustentável (154) Desmatamento (4) Diesel (15) Diesel Verde (20) eco-friendly (5) Economia (75) Economia Circular (10) Economia Internacional (110) Economia Sustentável (3) Economia Verde (171) Economy (31) Ecosystem (6) Efeito estufa (18) Eficiência energética (50) Emissões de Carbono (34) Empreendedorismo (7) Empresas (85) Energia (91) energia limpa (6) Energia Renovável (247) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (4) Etanol (77) Europa (1) event (11) Eventos (139) Exportações (83) Extrativismo (58) FAO (4) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (20) Floresta plantada (105) Fomento (28) Food (42) food security (7) forest (1) Fruticultura (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (111) Green Economy (127) health (23) História (1) IBP (1) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (134) Instituição (1) Insumos (1) Investimento (4) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (49) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (577) Madeira (16) Mamona (1) Manejo e Conservação (102) MAPA (20) Mata Atlântica (1) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) matérias-primas (3) Meio Ambiente (236) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4069) Mercado de Combustíveis (63) Mercado Financeiro (10) Mercado florestal (71) Mercado Internacional (43) Metas (3) Milho (15) Minas Gerias (1) MME (38) Mudanças Climáticas (30) Mundo (93) Nações Unidas (3) Negócios (2) net-zero (20) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (94) Oleochemicals (10) Óleos (249) Óleos Essenciais (7) Óleos Vegetais (14) OMC (1) ONGs (1) ONU (13) Oportunidade (5) Oportunidades (5) other (1) Palm (1) Palma (26) palmeiras (1) Paris Agreement (92) Pecuária (83) Pegada de Carbono (94) Personal Care (3) Pesquisa (60) Pessoas (1) Petrobras (9) Petróleo (27) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (26) Política (80) Política Ambiental (1) Preços (45) Preservação Ambiental (35) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (50) Produção vegetal (4) Produtividade (42) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (14) regulamentação (1) Relatório (11) renewable energy (19) RenovaBio (67) Report (1) Research and Development (11) Resíduos (11) Sabão (1) SAF (5) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (115) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (126) Segurança Energética (13) Selo Social (10) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (33) Sistemas Integrados (18) Sociobiodiersidade (2) Soil (9) Soja (67) Solos (42) Sustainability (57) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (584) Tecnologia (44) Tempo (1) Títulos verdes (1) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (245) World (4) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página