Buscar

Mercosul debate uso de registros administrativos para os ODS

quinta-feira, outubro 24, 2019

IBGE e institutos de estatística do Mercosul participam de evento sobre ODS no Rio de Janeiro - Foto: Simone Mello/Agência IBGE Notícias

Institutos de estatísticas dos países-membros do Mercosul discutiram, na última segunda-feira (21/10), um importante tema no círculo estatístico da América Latina: o aproveitamento dos registros administrativos e a formulação de indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A reunião aconteceu na sede do IBGE, no Rio de Janeiro, durante a XVII Reunião Especializada de Estatísticas do Mercosul (Rees).

Além de diretores do IBGE, também estiveram presentes representantes da Dirección General de Estadística, Encuestas y Censos (DGEEC) do Paraguai e do Instituto Nacional de Estadística (INE) do Uruguai. O Instituto Nacional de Estadística y Censos (Indec) da Argentina participou por videoconferência. Cada país apresentou as atividades que vêm sendo desenvolvidas em relação ao tema.

Integração das bases de dados

Graças ao aparecimento e ao aperfeiçoamento de novas tecnologias, como o Big Data, a utilização de registros administrativos para fins estatísticos vem sendo muito debatida internacionalmente. Cada instituto, de acordo com suas necessidades e possibilidades, tem estudado formas para aproveitar a base de dados coletados por outras esferas estatais, como a Receita Federal, no Brasil, ou mesmo cadastros de entidades privadas.

Durante o evento, o diretor de Pesquisas do IBGE, Eduardo Rios Neto, explicou que ainda há um longo caminho pela frente. “São muitos desafios. Por exemplo: as unidades de observação desses registros administrativos podem ser inconsistentes. Então, precisa padronizar, e só os institutos de estatísticas podem fazer isso, com protocolos e procedimentos adequados”, ponderou.

A ainda incipiente utilização dos registros administrativos nos indicadores dos ODS é apenas um dos fatores que tornam a Agenda 2030 um desafio, principalmente para os países do Mercosul. Com 169 metas divididas pelos 17 ODS, o plano é considerado “ambicioso” por especialistas.

Registros administrativos e meio ambiente

A captura de dados de muitos dos objetivos traçados pela ONU só é possível através dos registros administrativos. “Os indicadores ligados ao meio ambiente são justamente os que mais utilizam esses registros”, destacou Roberto Sant' Anna, assessor em relações internacionais do IBGE e coordenador do encontro.

Iván Aguilera, diretor-geral do DGEEC do Paraguai, ressaltou que 50% dos indicadores dos ODS são de meio ambiente. “Nossos países têm uma dificuldade enorme para construir esses indicadores”, admitiu.

Neste quesito o IBGE sai na frente. O motivo é ter, na mesma entidade, os estudos de Geografia e Estatística, conseguindo acompanhar a questão do meio ambiente mais de perto do que outros institutos mundo afora, como lembrou Roberto Sant' Anna.

Atualmente, o Brasil tem mais de 60% dos indicadores produzidos ou em análise/construção. Esse número significa 70 produzidos e 76 em produção do total de 244 indicadores. Entre os 17 Objetivos, destacam-se o 7 (Energia Limpa e Acessível), que já atingiu mais de 60% dos 6 indicadores, e o 2 (Fome Zero e Agricultura Sustentável) e o 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura), com 50% ou mais de indicadores produzidos.

Já o ODS 10 (Redução das Desigualdades) e o 14 (Vida na Água) têm apenas um indicador produzido cada, sendo que os demais dez indicadores do Objetivo 10 estão em análise/em construção.

Fonte: Agênia de Notícias IBGE

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (21) Alimentos (234) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (14) Biochemistry (2) Biocombustíveis (183) Biodiesel (84) Bioeconomia (18) Bioeletricidade (2) Bioenergia (1) Biofertilizantes (2) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (61) Biopolímeros (4) Bioquerosene (19) Biotechnology (24) Biotecnologia (8) Brazil (25) Carvão Ativado (3) Cerrado (4) Ciência e Tecnologia (189) Clima e ambiente (192) climate changed (30) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (18) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) Davos (2) eco-friendly (3) Economia (3) Economia Internacional (67) Economia Verde (163) Economy (27) Ecosystem (1) Efeito estufa (9) Eficiência energética (1) Empreendedorismo (1) Energia (29) Energia Renovável (168) event (6) Eventos (80) Extrativismo (21) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (67) Food (41) food security (4) forest (1) Fuels (20) Global warming (82) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (525) Manejo e Conservação (46) Meio Ambiente (94) Melhoramento e Diversidade Genética (55) Mercado (3867) Mercado florestal (48) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (2) Oleochemicals (2) Óleos (217) other (1) Palma (1) Paris Agreement (69) Pecuária (65) Pegada de Carbono (49) pirólise (2) Plant Based (8) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (26) Recuperação de área Degradada (31) renewable energy (12) Research and Development (8) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (81) science and technology (35) Segurança Alimentar (46) Sistema Agroflorestal (1) Soil (8) Solos (11) Sustainability (43) Sustainable Energy (56) Sustentabilidade (337) Vídeo (196) World Economy (70)

Total de visualizações de página