Buscar

Países ricos noticiam mudanças climáticas de forma diferente dos países pobres

segunda-feira, agosto 12, 2019

Os veículos de notícia dos países ricos têm maior probabilidade de enquadrar a mudança climática como uma questão política interna, enquanto as dos países mais pobres relatam mais sobre desastres naturais e relações internacionais.
Os veículos de notícias dos países ricos noticiam a mudança climática de forma muito diferente das organizações de notícias dos países mais pobres, de acordo com 1 novo relatório — e isso não mudou muito com o passar do tempo, apesar de 1 olhar mais detalhado sobre como essas organizações divulgam o assunto mostrar pequenos sinais de progresso.

Em 1 estudo publicado na edição de setembro da Global Environmental Change, pesquisadores da Universidade do Kansas e da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hanoi analisaram como a mídia em 45 países e territórios enquadrou as mudanças climáticas e como essa cobertura afetou fatores socioeconômicos e ambientais, como o PIB per capita, a frequência de desastres naturais, os níveis de emissão de dióxido de carbono e os níveis de liberdade de imprensa.

A amostra total incluiu 37.670 artigos jornalísticos, publicados de 2011 a 2015, de 84 publicações (geralmente jornais) em 4 idiomas (inglês, francês, espanhol e português). Os pesquisadores então classificaram o enquadramento de cada 1 dos artigos, atribuindo a cada, 1 dos sete quadros: Impacto Econômico, Política Doméstica / Impacto Regulatório, Evidência Científica, Progresso Social, Energia, Relações Internacionais e Impacto Natural.

Saiba o que eles encontraram:

— Eu teria pensado / esperado que a concepção da cobertura das mudanças climáticas mudasse com o tempo (tornando-se mais … urgente?), mas isso não aconteceu, pelo menos durante os 4 anos abordados neste estudo: o enquadramento foi amplamente consistente durante o período. A urgência de cobertura da mudança climática continua sendo 1 problema nos Estados Unidos, e muitos jornais falham em cobrir o mínimo da temática.


Há alguns pontos positivos: o The Guardian, que tem uma presença expressiva nos EUA, anunciou este ano que está descartando o termo “mudança climática” em favor de “emergência climática, crise ou colapso”. As publicações estão se unindo para cobrir as mudanças climáticas. A cobertura do assunto aumentou 20% nos EUA em 2018, de acordo com o Observatório de Mídia e Mudança Climática (MeCCO) da Universidade do Colorado – e alguns jornais dos EUA estão cobrindo mais o tema; do relatório da MeCCO para junho de 2019:

A cobertura nos EUA aumentou 5% na mídia impressa e quase 47% na televisão em comparação com o mês anterior. Quando esse aumento na cobertura dos veículos é desagregado, pode-se detectar 1 conjunto ligeiramente diferente de tendências. Estas mostram que, na verdade, a maioria desses aumentos se deve ao aumento da cobertura no The New York Times, seguido por aumentos na versão impressa do The Washington Post, e na cobertura da CNN, Fox News e MSNBC na televisão. Na verdade, esse aumento da cobertura da mudança climática na mídia norte-americana nos últimos meses está ocorrendo apesar da cobertura mais abundante nas principais organizações de notícias da rede americana de TV – ABC News, CBS News, NBC News e PBS Newshour – junto com mídias impressas de prestígio dos EUA – The Wall Street Journal e USA Today.


— Quanto mais rica a nação, “mais provavelmente sua mídia retratará a mudança climática como questões de ciência e política interna… A imprensa dos países mais ricos é menos propensa a discutir a mudança climática a partir do impacto natural e dos ângulos das relações internacionais”. O PIB per capita foi o indicativo mais forte de como a mídia de 1 país conduziria sua cobertura.

Os meios de comunicação dos países mais ricos são mais propensos a enquadrar a mudança climática como uma questão de política interna. Isso, talvez, seja porque a voz dos céticos quanto a mudança do clima nos países mais ricos ganhou uma proeminência mais forte na mídia. Nesses países, a mudança climática é uma questão altamente contestada por inúmeros grupos, em seus esforços de politização da mudança climática, nos quais tentam influenciar a agenda midiática e a formulação de políticas. Além disso, as regras de relato equilibrado na mídia em alguns países democráticos pode ter obrigado os jornalistas a incluir vários pontos de vista sobre a mudança climática, afetando a percepção do público e dos tomadores de decisão sobre a mudança climática. Essas práticas de relato também oferecem uma possível explicação do motivo pelo qual os meios de comunicação nos países com PIB mais alto têm maior probabilidade de enquadrar a mudança climática como uma questão de política interna.

— A mídia em países que freqüentemente sofrem com desastres naturais “tendem a enquadrar as mudanças climáticas através das lentes do impacto natural”; os países que tinham governos mais eficazes tinham menor probabilidade de enquadrar as mudanças climáticas à luz dos desastres naturais. Em junho de 2019, por exemplo, a MeCCO constatou que a cobertura da mudança climática na Índia aumentou 67% em relação ao mês anterior, devido em grande parte às ondas de calor recorde e à seca.

— O progresso social foi o quadro menos utilizado, com menos de
4% do conteúdo “dedicado a cobrir novos estilos de vida ou desenvolvimentos sociais relacionados à mudança climática“.

Leia o texto original em inglês (link).

Fonte: Poder360

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página