Buscar

Macaúba mineira prepara entrada em mercados de especialidades, mas de olho no biodiesel

terça-feira, agosto 27, 2019

Macaúba, da empresa de Felipe Morbi, promete entrar nas especialidade que usam a biomassa, de olho no mercado de biodiesel (Imagem: Soleá)

A Soleá tem um número em mente a médio e longo prazos: o mandato brasileiro para biodiesel exigirá 15% de outras oleaginosas até 2028, fora a soja e sebos. A curto prazo: mercados de especialidades em cosméticos, alimentos e químicos. Este a empresa pretende começar atender sozinha; quanto ao primeiro, está construindo a base para entrada de outros. E só com macaúba.

Em Viçosa, a co-irmã Acrotech Biotecnologia testa e valida as condições de plantio, produção e multiplicação de mudas e as aplicações do óleo, farinha e da biomassa restante, enquanto em João Pinheiro, também em Minas, a área produtiva e operacional se prepara para sair da fase 1 e entrar no período de produção comercial, até dezembro deste ano. Ao final de 2020, Felipe Morbi, CEO da Soleá, garante 700 hectares em produção de frutos e uma indústria mais encorpada.

A produção, então, alcançará 2,4 mil toneladas de frutos: 480 toneladas de óleo e 720 toneladas de farinha (polpa e amêndoa), mais 2,5 mil toneladas de biomassa seca (folhas, cachos vazios e outros) para especialidades químicas.

Alinhado ao potencial agronômico – capacidade produtiva em qualquer bioma, baixo custo de manejo, longevidade e regularidade após a primeira safra, ocupação de terras degradadas e produtividade de óleo 18 vezes superior à soja -, o potencial comercial garantiu a entrada de recursos, afirma Morbi.

A holding Pastori Participações (metalurgia, motores Anauger), com sede em Jundiaí, conseguiu duas operações com o BNDES via aval do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), que entraram dentro dos R$ 30 milhões investidos até agora.

Para a fase mais avançada do projeto, que Morbi estima uma indústria para a extração de macaúba em 5 mil hectares próprios, o orçamento previsto inicialmente é de R$ 120 milhões. Essa meta é para mais 3 anos.

Enquanto está na saída do estágio piloto, com tudo testado e mercado comercial mapeado, e vai adequando a estrutura própria aos novos modelos produtivos que o ganho de escala vai exigir, a empresa também já pensa em como ir agregando fornecedores de frutos. Felipe Morbi reconhece que mesmo para o setor de alimentos o fornecimento de óleo e farinha também exige escala, mesmo para produtos finais de especialidades. Portanto, matéria-prima também poderá vir de terceiros.

E a unidade produtiva do Noroeste de Minas Gerais, estado que até tem uma lei incentivando a produção de macaúba, poderá receber de outros produtores. “Podemos oferecer o pacote agrícola e a garantia da compra do produto”, explica o CEO da Soleá, que tem recebido muitas consultas, inclusive de investidores que pensam em diversificação de negócio. Como o próprio grupo familiar Pastori o fez há quase 10 anos.

Em que se mantenha a produção para mercados de valor agregado, como estes nos quais a Soleá vai estrear para valer em 2020, o salto produtivo mais ambicioso é o consumo de biocombustíveis, biodiesel e bioquerose de aviação. Atualmente, no diesel, a mistura de bio é de 10%, com volumes em alta, como a aprovação pela ANP de 11% recentemente, o que já exige uma escala altíssima. E o cronograma deve crescer.

Com a exigência de 15% terá que sair de oleaginosas como a macaúba e outras, o potencial é enorme. “Se fossemos aproveitar esses 15% somente com macaúba, precisaríamos de 400 mil hectares plantados”, complementa Morbi.

Fonte: Money Times

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página