Buscar

Indústria de alimentos cresce 1,3% no 1º semestre

sexta-feira, agosto 23, 2019



As vendas da indústria brasileira de alimentos registraram um crescimento de 1,3% no primeiro semestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a pesquisa conjuntural da ABIA (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos).

Os dados acumulados nos últimos 12 meses (junho 2018 a junho 2019) mostram que o setor está em uma trajetória de recuperação gradual de crescimento. As vendas no período evoluíram positivamente em 1,1%. 'O desempenho da indústria de alimentos no primeiro semestre foi alinhado à dinâmica da economia do País. Com a aprovação das reformas estruturantes, a tendência é que todos os setores da economia cresçam de uma forma mais sustentável e mais rápida', diz João Dornellas, presidente executivo da ABIA.

Os setores que mais se destacaram em vendas reais em comparação com o 1º semestre de 2018 foram: conservas de vegetais/frutas e sucos (extrato de tomate, milho, goiabada e sucos de laranja), 5,4%; bebidas (águas, refrigerantes etc), 1,6%; carnes e proteína animal, 0,6%; e óleos e gorduras (óleos vegetais, azeite, margarina e farelo de soja), com aumento de 0,5%.

Em relação à participação dos principais setores em faturamento, a categoria de proteína animal correspondeu a 22%, bebidas 20%, laticínios 10,5%, café, chás e cereais 10,2%, óleos e gorduras 9% e derivados de trigo 5,8%.

No primeiro semestre de 2019, as exportações de alimentos industrializados totalizaram US$ 15,9 bilhões, o que representa uma redução de 4,6% em relação ao valor verificado no primeiro semestre do ano anterior.

Embora os números mostrem tendência de queda, vale observar que, desde abril, a trajetória das exportações tem sido de recuperação. As vendas de carnes bovina, suína e de aves para a Ásia, com destaque para a China, aumentaram consideravelmente no último trimestre. 'A perspectiva é de encerrar o ano com vendas em valor próximas ao do ano anterior, de US$ 35 bilhões', afirma o presidente da ABIA.

A agenda do Mercosul, após a recente conclusão do acordo com a União Europeia (UE), tem agora como objetivo concretizar as negociações com outros blocos e países, como a EFTA (Associação Europeia de Livre Comércio), Canadá, Cingapura e Coreia do Sul. O Brasil também está em negociação para ampliar o acordo bilateral com o México.

O acordo com a EFTA está avançando e há uma expectativa de que seja fechado ainda este ano. O maior mercado do bloco é a Suíça. Dentre os principais produtos que o Brasil exporta ao país estão carnes e frutas. Já na importação, o destaque são os chocolates. A próxima rodada de negócios está prevista para ocorrer na segunda quinzena de agosto.

Sobre a ampliação do acordo de livre comércio entre o Brasil e o México, ainda não há avanços significativos, mesmo com a intenção pública do Brasil em ampliar o acordo.

As relações com o Canadá estão na fase de negociações. Os temas mais sensíveis que estão sendo tratados são: regras de origem, medidas sanitárias e fitossanitárias, e bens. Atualmente, os principais produtos brasileiros exportados ao Canadá são açúcar, café, frutas, sucos e carnes. A próxima rodada de negociações entre o Mercosul e Canadá está prevista para ocorrer somente após o período eleitoral canadense, que ocorrerá em outubro.

Já o acordo do Mercosul com os coreanos está na sua terceira rodada de negociações, que envolvem temas como acesso a mercados, regras de origem, medidas sanitárias e fitossanitárias, barreiras técnicas ao comércio, defesa comercial, e facilitação de comércio. Apesar das perspectivas positivas, a evolução entre as partes é lenta. A Coreia do Sul mostra preocupação com a situação político/econômica da Argentina, além do interesse dos coreanos em conhecer melhor o texto do acordo firmado entre o Mercosul e UE. A próxima rodada está prevista para ocorrer no final do ano.

A aprovação da Reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados, com larga margem de votos nas duas rodadas de votação, contribuiu para manter o otimismo na recuperação econômica do Brasil. 'Há uma melhoria das expectativas dos empresários com o futuro do País, fator relevante para se viabilizar um novo ciclo de crescimento sustentado, baseado em investimentos e baixa inflação', destaca Dornellas.

No curto prazo, o crescimento econômico dependerá da efetividade das medidas propostas pelo Ministério da Economia, como a gradual liberação de parte do saldo do FGTS, a ampliação do uso dos empréstimos compulsórios pelos bancos, e de medidas complementares que venham a contribuir para reduzir as taxas de juros às empresas e consumidores, em linha com as quedas observadas na taxa básica de juros (SELIC).

Outro fator importante para a expansão da produção e do consumo de alimentos é a safra recorde de grãos, que poderá atingir 234,5 milhões de toneladas, alta de 6% em relação à safra anterior, sendo o milho o grande destaque com quase 100 milhões de toneladas e 23% de alta na produção, contribuindo para a garantia da oferta de matérias-primas para a indústria de alimentos.

Fonte: Investimentos e Notícias

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (163) Aviação (21) Aviation market (11) Biocombustíveis (153) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (156) Clima e ambiente (155) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (143) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (127) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (53) Food (38) food security (1) Fuels (15) Global warming (75) Green Economy (94) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (449) Manejo e Conservação (28) Meio Ambiente (66) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3796) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (40) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (20) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (252) Vídeo (193) World Economy (55)

Total de visualizações de página