Buscar

Devemos mudar a nossa dieta antes que seja tarde de mais, alerta a ONU

terça-feira, agosto 13, 2019


Segundo o mais recente relatório ambiental da ONU, o Homem deve mudar urgentemente os seus hábitos dietéticos e parar de destruir o solo, de modo a que este consiga absorver mais carbono e, assim, evitar que o aquecimento global tome proporções catastróficas

relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), o órgão da ONU responsável pelo estudo do clima, faz a relação entre as alterações climáticas atuais e o estado do solo e sugere a necessidade de uma agricultura mais sustentável, mudanças de hábitos alimentares e uma diminuição do desperdício de alimentos para o combate aos efeitos adversos do aquecimento global.

A atividade humana tem contribuído para a degradação progressiva dos solos, a deflorestação e a destruição de habitats naturais, a velocidades muito superiores às naturais. Todos estes processos contribuem para a libertação de dióxido de carbono do solo para a atmosfera.

Durante séculos, o solo foi uma ferramenta importante para a absorção e retenção de dióxido de carbono, mas graças à atividade humana, é agora responsável por um terço dos gases de efeito de estufa existentes na atmosfera. Os fogos florestais resultantes de alterações climáticas, o derretimento do permafrost e a desertificação estão a colocar o solo sob pressão, o que o faz libertar os gases de efeito de estufa que absorveu de volta para a atmosfera.

“Isto é uma tempestade perfeita”, comentou David Reay, professor na Universidade de Edimburgo e orientador dos autores do relatório. “Terras limitadas, a população humana a aumentar, e tudo isto envolto num cobertor sufocante de emergência climática”.

“As colheitas já estão a ser fortemente atingidas pelas mudanças climáticas, cereais como trigo, milho e arroz estão todos em risco. O nosso sistema de comida é como uma teia, o que significa que os impactos sentidos numa quinta a centenas de milhas de distância estendem-se de volta aos nossos próprios pratos”, acrescenta. “A Terra nunca pareceu tão pequena e os seus ecossistemas naturais nunca estiveram sob uma ameaça tão direta”.

Os solos acumulam atualmente cerca de 1% do carbono total do planeta, mas chegaram a conseguir acumular até 7%. Para conseguir contrariar o aquecimento global, a ONU sugere que a população mundial pare o mais rápido possível de desflorestar as florestas tropicais e de degradar o solo. Em alternativa, devem ser adotadas medidas agrícolas sustentáveis, os habitats naturais devem ser protegidos e as florestas replantadas.

“Dietas equilibradas com recurso a alimentos à base de plantas - como grãos, leguminosas, frutas e legumes - e alimentos de origem animal produzidos de forma sustentável em sistemas de baixa emissão de gases de efeito estufa, apresentam grandes oportunidades para a adaptação e limitação das mudanças climática, explica Debra Roberts, copresidente do Working Group II do IPCC, que participou no relatório.

Os solos devem manter-se produtivos, de modo a garantir que existem alimentos suficientes para a população que cresce, diz o relatório. Para tal, tem de haver diversificação: sistemas alternados que misturem a agricultura arável com a pecuária, ou as árvores e o solo sem culturas. Estes sistemas dão ao solo uma maior resistência às mudanças climáticas e melhora a condição geral do solo, a capacidade de acumular carbono e a biodiversidade do local.

“O relatório do IPCC propõe a adoção de práticas agrícolas que trabalhem com a natureza em vez de forçar a produção com o uso excessivo de fertilizantes artificiais. Um passo fundamental seria acabar com os subsídios prejudiciais de grandes culturas individuais, como milho, cana-de-açúcar, soja e combustíveis fósseis”, diz Vicki Hird, da ONG britânica Sustain.

Reay acrescenta que cultivar duas safras ao mesmo tempo faz com que o agricultor esteja menos dependente de uma só cultura, que pode ser erradicada por doenças ou condições climáticas severas. Um bom exemplo de agro-florestação é a plantação conjunta de bananas e café, já que as bananeiras fornecem a sombra que o café precisa.

Os cientistas acreditam que é essencial reduzir os gases de efeito de estufa de todos os setores do mercado, para que o aquecimento global não ultrapasse os 2ºC.

Fonte: SAPO (Portugal)

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página