Buscar

Busca por cosméticos veganos cresce e produto ganha espaço nas gôndolas

quarta-feira, agosto 07, 2019

Marcas procuram mais fornecedores para produção ganhar escala
Marcas procuram mais fornecedores para produção ganhar escala. FOTO: FOTOS: DIVULGAÇÃO

Marcas têm dificuldade de encontrar fornecedores mesmo com maior disposição do cliente em comprar itens que não sejam testados em bichos e nem tenham ingredientes de origem animal

Para atender a crescente demanda dos consumidores nos últimos anos, marcas e redes de cosméticos veganos ganham espaço dentro do mercado de beleza e bem-estar. Apesar do alto potencial, a dificuldade de encontrar fornecedores certificados no território nacional ainda é um desafio.

“Essa tendência já passou de um simples movimento para uma realidade de mercado. O que tem sustentado esse novo cenário é justamente a preocupação que o consumidor demonstra diante do impacto do produto no meio-ambiente. Dentro do nosso negócio, visualizamos uma oportunidade muito boa na categoria de batons”, diz a proprietária da marca de cosméticos veganos e naturais Face It, Elza Barroso. 

De acordo com a executiva, a estratégia do negócio em se concentrar apenas em uma categoria de produto vem justamente para facilitar a encomenda juntamente aos fornecedores e também acelerar o processo de disseminação da cultura sustentável nesse mercado. “Tivemos dificuldade de encontrar distribuidores no começo, até por isso fomos até a Itália realizar parcerias. No entanto, há um ano e meio estamos firmando parcerias com alguns distribuidores brasileiros também, a fim de não depender de apenas uma fonte”, detalhou a executiva. 

Ainda de acordo com ela, a marca tem atualmente parceria com 51 lojas físicas, todas voltadas apenas para produtos e cosméticos naturais. “Nosso objetivo é primeiro se consolidar nesses locais para depois expandir em direção aos pontos de venda do varejo no geral, como por exemplo redes de farmácia”, disse ela, lembrando que o e-commerce da marca responde por 45% do faturamento do negócio. O tíquete médio atualmente está em torno de R$ 130.


Nesse sentido, a fundadora e diretora-geral da consultoria empresarial Grupo Bittencourt, Claudia Bittencourt, afirma que é importante estabelecer uma relação de transparência com o consumidor em relação aos componentes que são a base de determinado produto. “As gerações mais novas têm exigido muito mais esse esclarecimento por parte das marcas. Nesse sentido, é de extrema importância que as empresas tenham uma certificação sobre aquele item. Acredito que as marcas menores devam demorar um pouco mais para conseguir todas as certificações, mas isso tende a se tornar mais fácil nos próximos anos”, disse Cláudia. 

Em linha com a especialista, o diretor-executivo da IBD Certificadora, Alexandre Harkaly, conta que – em virtude do grande número de exigências para classificar um produto como vegano – muitas empresas têm optado pela certificação como natural ou orgânico. “Nos últimos anos, vemos um aumento na ordem de 20% pela certificação desses itens. Por enquanto, a lei brasileira não dispõe de normas específicas para a classificação de veganos”, declarou ele. 

Outro exemplo de negócio que tem apostado nesse mercado é a marca Almanati. “Começamos as vendas no ambiente online e, aos poucos, fomos abrindo lojas físicas. Vimos a necessidade de se relacionar com o cliente dentro desses espaços. Além disso, colocamos recentemente maquiagens naturais dentro do nosso portfólio”, argumentou a proprietária da marca, Maria Jose Ferri Viessi. Ainda de acordo com ela, a faixa etária dos consumidores da marca – que tem lojas no interior de São Paulo – é de 25-40 anos. O tíquete médio do negócio gira em torno de R$ 220.  

Fonte: DCI

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página