Buscar

A África subsaariana está queimando 5 vezes mais que a Amazônia e precisa de atenção urgente!

quinta-feira, agosto 29, 2019

Africa queima


Os vários "pulmões verdes" do planeta estão sendo destruídos! O Ártico sem gelo, a Amazônia arde em chamas e os incêndios estão consumindo a África subsaariana.

Basta consultar o mapa de incêndio da NASA, para perceber que o fogo está literalmente devorando as vastas áreas do planeta, extinguindo hectares e hectares de floresta tropical e muito mais.

O mapa parece ter se tornado uma das páginas mais visitadas nos dias de hoje e mostra em vermelho as áreas onde os incêndios são registrados.

Entre as áreas afetadas, encontramos a Rússia, a Sibéria, o Alasca, a Oceania e a Europa Oriental, onde a perda de vegetação pode ter sérias repercussões para o planeta.


This is the biggest global issue the media should be covering now. Amazon, Siberia, Africa & the Middle East are on fire. Spread the word and live more sustainably to stop before it’s too late. http://bit.ly/2P4BOiP 

Ver imagem no Twitter

318 pessoas estão falando sobre isso


A região mais afetada, no entanto, denota ser a África Subsaariana. De acordo com um estudo transmitido pela Agência Espacial Europeia (ESA), 70% dos incêndios do planeta se concentram nessa área, com milhares de focos ativos na Tanzânia, Congo, Angola, Madagascar, cerca de 5 vezes mais que os registrados na Amazônia!

Nessas áreas, os incêndios são comuns nesta época do ano e podem ser de origem natural ou causados por agricultores, que incendiam terras e as colocam em cultivo.

Os incêndios que afetam a savana ocorrem para favorecer o crescimento de algumas espécies vegetais e têm um impacto ambiental menor do que aqueles que destroem as florestas.

No caso da savana, onde a vegetação é mais escassa, os incêndios embora sejam detectados por imagens de satélite dificilmente projetam e causam danos às plantas, pois a passagem do fogo é tão rápida que afeta mais o solo.

Os incêndios que afetam a floresta são realizados por agricultores que aplicam o princípio do "corta e queima" para dar espaço para as culturas antes da estação das chuvas de outono.

Segundo os agricultores, essa técnica agrícola, além de liberar o solo das plantas, fornece alimento ao solo graças às cinzas e reduz o aparecimento de doenças nas lavouras.

A técnica de "cortar e queimar" é muito criticada pelos ambientalistas, pois causa desmatamento, erosão e empobrecimento prematuro do solo e perda de biodiversidade e, além disso, estamos falando de uma região onde a seca e a falta de água causam mortes, guerras e fome todos os dias.

Os incêndios são geralmente controlados pelos agricultores, mas pode acontecer que alguns escapem desse controle por causa do vento e que eles inflamem locais fora das áreas estabelecidas, desta forma, tornam-se difíceis de gerir e controlar e podem chegar até florestas próximas ou centros populacionais.

Os incêndios, de qualquer natureza, provocam uma grande quantidade de fumaça e resíduos tóxicos que pioram consideravelmente a qualidade do ar: segundo a ESA, em fevereiro de 2019, estes incêndios foram responsáveis por 25-35% das emissões anuais totais de gases de efeito estufa para a atmosfera. 

Sob pressão da opinião pública e dos ambientalistas, a situação na Amazônia tornou-se o tópico da cúpula do G-7, no último sábado, durante a qual US $ 20 milhões foram destinados ao combate a incêndios, posteriormente rejeitados pelo governo brasileiro.

Os incêndios na África atraíram muito menos atenção, apesar das chamas afetarem uma área de mais de um milhão de milhas quadradas na bacia do Congo, frequentemente descrita como o "segundo pulmão verde" do planeta depois da própria Amazônia.


Au cœur de ce : le climat et la biodiversité. L’océan et la forêt qui brûle en Amazonie nous appellent. Il nous faut leur répondre. Et de manière concrète.

Sur ces sujets, le temps n’est plus aux paroles, mais aux actes. Voici ceux que je défendrai :

15,6 mil pessoas estão falando sobre isso

De fato, na região da África subsaariana existem florestas africanas, que cobrem vários países, incluindo a República Democrática do Congo, Gabão, Camarões e Madagáscar.

Assim como na Amazônia, as florestas africanas também absorvem CO2 e o fazem armazenando 115 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, o equivalente às emissões de combustíveis fósseis produzidos pelos Estados Unidos em 12 anos. 

Além de desempenhar um papel fundamental na regulação do clima do planeta, as florestas na África do Sul são habitadas por milhões de indígenas e representam um tesouro de biodiversidade hospedando milhares de espécies animais e vegetais.

Por todas essas razões, os incêndios que ocorrem na África do Sul merecem a mesma atenção que aqueles que estão atingindo a floresta amazônica e devem ser monitorados.

"Vamos agir com rapidez. Intervenções tempestivas falharam na Sibéria e na Amazônia e os incêndios assumiram proporções dramáticas. Pedimos aos governos dos países da bacia do Congo que tomem as medidas apropriadas para evitar que as chamas da savana se espalhem pela floresta" - é o apelo de Martina Borghi, da campanha florestal do Greenpeace-Itália.

A floresta da bacia do Congo é o lar de milhões de indígenas que também são seus principais guardiões, bem como milhares de espécies animais e vegetais.

As multinacionais já se apossaram de 5 milhões de hectares de floresta na África e a demanda por petróleo, madeira e produtos agrícolas está ameaçando cada vez mais esse segundo "pulmão verde", causando desmatamento com sérios danos ao meio ambiente, para povos indígenas e para todos nós. 

Fonte: Green Me

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (163) Aviação (21) Aviation market (11) Biocombustíveis (153) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (156) Clima e ambiente (155) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (143) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (127) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (53) Food (38) food security (1) Fuels (15) Global warming (75) Green Economy (94) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (449) Manejo e Conservação (28) Meio Ambiente (66) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3796) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (40) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (20) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (252) Vídeo (193) World Economy (55)

Total de visualizações de página