Buscar

Ser sustentável hoje atrai mais clientes

quarta-feira, julho 03, 2019

Guilherme Santos, proprietário da Salve Terra, diz que marcas que não se atentarem para a questão correm risco de perder mercado - Foto: Luciano da Matta | Ag. A TARDE
Guilherme Santos, proprietário da Salve Terra, diz que arcas que não se atentarem para a questão correm o risco de perder mercado

Sustentabilidade é uma tendência que vem crescendo por todo o País, com cada vez mais negócios escolhendo adotar práticas sustentáveis ao repensar, reduzir, recusar, reutilizar e reciclar. A intenção é comunicar ao consumidor – que está ficando mais consciente e cobrando que as empresas tenham mais posicionamento neste sentido – a preocupação com as presentes e futuras gerações, tomando rumos diferentes da concorrência tradicional. Indo além de gerar uma melhor gestão ambiental, investir em sustentabilidade também gera mudanças positivas no meio social e econômico.

Em pesquisa realizada no ano passado pelo Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) com mais de 1,8 mil empresários, mais de 87% dos empreendimentos declararam separar resíduos não recicláveis (úmidos) dos recicláveis (secos) para encaminhar à reciclagem e 71% separam resíduos perigosos (lâmpadas, óleo, pilhas e baterias e eletrônicos) para coleta por empresas especializadas, além de se comprometerem com eficiência energética e controle do uso da água.

Guilherme Santos é proprietário da loja Salve Terra e ressalta que ter políticas sustentáveis não é apenas importante, é necessário. "As marcas que não se atentarem a essa constante crescente de conscientização para a redução de consumo vão acabar ficando fora dessa fatia", reflete. Seu principal produto é a embalagem de presente feita de garrafa pet, que eles compram na mão de catadores, e, mais recentemente, começaram a vender também canudos inox, um produto que está se tornando cada vez mais popular, visando à redução da veiculação de plástico.

87% dos empreendimentos pesquisados pelo Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) revelaram que separam resíduos não recicláveis (úmidos) dos recicláveis (secos)

Exigentes e seletivos

"Já tivemos casos de clientes que deixaram de comprar porque estávamos sem as embalagens", lembra Guilherme. "Além de ter uma grande durabilidade e imprimir um conceito ao produto, as pessoas também estão mudando a forma de comprar, estão mais voltadas para questões ambientais, procurando lojas mais humanizadas e que se importem com o meio ambiente e os animais".

A marca de roupas Alend nasceu no ano passado e é voltada não apenas para redução de impactos ambientais como também para a melhoria de aspectos sociais e econômicos. Em suas roupas, utilizam fibras naturais como matéria-prima, como linho, fibras botânicas e celulose da madeira, desenvolvendo um fio sustentável, que gasta menos energia e menos água em sua confecção. "Na criação do produto, procuramos sempre usar 100% da matéria-prima, para que as peças possam ser recicladas depois, já que para as peças misturadas não existe essa possibilidade", explica Vanessa Kiki, dona da marca.

71% dos 1,8 mil empresários pesquisados  demonstraram preocupação  em separar  resíduos perigosos (lâmpadas, pilhas, baterias e eletrônicos) para coleta por empresas especializadas

Quanto aos valores, Vanessa cita que, considerando a qualidade do tecido e a sua durabilidade, seus preços são mais acessíveis em comparação ao mercado, chegando a ser 50% mais baixos em alguns casos. "Nós procuramos também pagar valores honestos para nossos funcionários, muitas vezes acima do mercado. Desta forma, todos saem ganhando: nós, quem trabalha e o consumidor", reflete.

No Rio Vermelho, as sócias da loja colaborativa Amor em Dobro escolheram apostar numa produção local e artesanal, com uma linha zero waste, que, com produtos feitos à mão, tem o objetivo de substituir o uso de descartáveis, diminuindo o impacto do plástico no meio ambiente. Já a linha Eco utiliza madeira de reúso na produção de móveis e objetos de decoração.

"A sustentabilidade hoje não é apenas um assunto que está na moda, o mundo precisa da ajuda de todos para que se torne um lugar melhor para se viver", aponta Mila Cordeiro, uma das sócias. "Mudar nossos hábitos de consumo é a saída".

Sebrae-BA orienta sobre projetos na área

“A sustentabilidade é um diferencial competitivo de grande visibilidade para setores que buscam evitar desperdícios e que desejam melhorar sua imagem perante a sociedade”, avalia Eduardo Garrido, analista do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas na Bahia (Sebrae-BA). “Os resultados desse tipo de gestão transmitem maior confiança, um adequado posicionamento da empresa frente aos consumidores e a ampliação da visibilidade da marca”, reforça.

O analista também aponta que investir  em sustentabilidade proporciona um melhor atendimento aos requisitos legais, bem como promove a redução de custos, seja por evitar penalidades e multas, por minimizar o consumo de energia, de matérias-primas e de logística ou atenuar a geração de resíduos, de emissões e de impactos ambientais.

“A presença desses negócios em grandes espaços comerciais, como shoppings, serve como uma vitrine, um exemplo para que a comunidade adote, naturalmente, práticas sustentáveis no seu dia a dia”, avalia. “Ao se sensibilizar com as situações que se apresentam e ao se repensar hábitos, tem-se aí o cenário propício para a inovação, a qual gera frutos para todos os envolvidos”.

Para finalizar, Eduardo Garrido dá a dica de pesquisar e se informar acerca dos concorrentes e sobre as boas práticas adotadas pelo mercado e, além disso, buscar parceiros. “No site do Centro Sebrae de Sustentabilidade existe uma série de cartilhas, infográficos e casos de sucesso disponíveis ao público no âmbito da sustentabilidade para diversos segmentos. Além disso, o Sebrae dispõe de soluções voltadas para temáticas como a gestão de resíduos sólidos, a eficiência energética e a promoção da redução de desperdícios”, lembra.

Em Salvador, a sede do Sebrae funciona na rua Horácio Cezar, no centro da cidade, além do atendimento online.

Fonte: A Tarde (UOL)

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página