Buscar

Efeito ignorado de voos de aviões piora ainda mais aquecimento global

terça-feira, julho 02, 2019


As trilhas de vapor deixadas pelos aviões no céu têm um efeito mais prejudicial no clima do que todo o dióxido de carbono emitido por seus motores, revela um estudo recente divulgado na publicação “Atmospheric Chemistry and Physics”, da União de Geociências Europeia (EGU, na sigla em inglês), e noticiado pelo jornal “The Independent”.

Esses rastros de condensação (contrails, em inglês) permanecem no céu como nuvens de gelo (as chamadas cirrus), que aprisionam o calor na atmosfera da Terra. As cirrus com 100 metros de espessura refletem apenas cerca de 9% da luz solar recebida, mas impedem que quase 50% da radiação infravermelha de saída escape, elevando a temperatura da atmosfera sob as nuvens em 10 °C em média.

O fenômeno é uma fonte não contabilizada de aquecimento extra-CO2 das viagens aéreas. Segundo pesquisadores do Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Alemanha, o problema deverá triplicar até 2050.

Pelos dados atuais, voar responde por 5% do aquecimento global. Prevê-se uma expansão drástica da aviação mundial nas próximas décadas – o tráfego aéreo global deverá ser quatro vezes maior em 2050 do que o de 2006 – e pouca vontade político para sustar esse crescimento.

Segundo os cientistas, os aviões em geral estão voando um pouco mais alto, o que favorece a formação de rastros nos trópicos. No entanto, áreas na América do Norte e na Europa serão as mais afetadas, pois é sobre esses continentes que está a maior parte do tráfego, de acordo com o estudo.

Atualmente, o Acordo da Córsega (texto da ONU relativo às emissões de carbono do tráfego aéreo a partir de 2020) ignora os impactos climáticos extra-CO2 da aviação. No novo estudo, os pesquisadores ressaltam que os rastros de condensação farão esse impacto crescer mais do que o aumento de CO2, uma vez que os aviões do futuro consumirão menos combustível.

“É importante reconhecer o impacto significativo das emissões extra-CO2, como o rastro de condensação, no clima e levar esses efeitos em consideração”, disse Lisa Bock, do Centro Aeroespacial Alemão (DLR) do Instituto de Física Atmosférica, coautora do estudo.

Fonte: Revista Planeta

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página