Buscar

Caracterização do desenvolvimento do fruto da palmeira macaúba

sexta-feira, julho 26, 2019


Autor: Sebastián Giraldo Montoya

Resumo: A Macaúba (Acrocomia aculeata) é uma é uma palmeira nativa das regiões neotropicais e comumente habita áreas abertas e com alta incidência solar. Apesar de ser encontrada em regiões com solos arenosos e baixo índice hídrico, desenvolve-se melhor em locais onde há solos férteis. Acrocomia aculeata e considerada uma planta rustica e promissora na extração e produção de óleo combustível. Os cachos estão constituídos de frutos globosos, do tipo drupa, constituídos por cerca de 20 % de epicarpo (casca), 40 % de mesocarpo (polpa), 33 % de endocarpo (tegumento) e 7 % de semente (amêndoa). Os teores de óleo são ligeiramente maiores na polpa (60 %), em relação à amêndoa (55 %). A frutificação da Macaúba é supra anual (acima de 12 meses), o amadurecimento dos frutos é lento e indetectável visualmente. O epicarpo é duro e muda de coloração aproximadamente às 14 semanas após antese (SAA) tornando difícil determinar o desenvolvimento e maturidade do fruto, o é possível em outros frutos carnosos. 

A comercialização de produtos vegetais como os frutos, precisa de informações detalhadas que permitam estimar o grão de desenvolvimento do órgão, diferenciação dos tecidos, acumulo de reservas e principalmente o ponto de colheita, o qual determinará a perecibilidade e período de armazenagem do produto. Em geral, todos os frutos carnosos apresentam um padrão de crescimento similar. Esse padrão de crescimento é descrito por um comportamento sigmoide simples, duplo e em alguns casos, triplo. A descrição desse padrão de crescimento, influência diretamente em algumas práticas agronómicas como, irrigação, aplicação de reguladores de crescimento, controle fitossanitário e período crítico de colheita. Este estudo teve como objetivo caracterizar o padrão de crescimento das partes constituintes do fruto e o acúmulo de reservas como amido, açúcares solúveis totais (AST), açúcares redutores (AR), açúcares não redutores (ANR) e óleo do mesocarpo de frutos de macaúba. O experimento foi realizado com plantas adultas de população nativa do município de Acaiaca, região Sudeste de Minas Gerais - Brasil, catalogado como clima subtropical úmido segundo a classificação climática de Koppen-Geiger: Cwa. Coletou-se um fruto por cacho uma semana após abertura da espata (SAAP) até a queda natural dos frutos às 62 SAA. Determinou-se a abertura da espata com base em um padrão visual da antese da flor masculina, intervalo compreendido entre 12-24h horas após abertura da espata (HAAP). 

Para as análises estatísticas foram usados os valores médios das variáveis analisadas. O delineamento experimental foi em blocos casualizados e para cada avaliação foi estimada a equação de regressão. O teor de água dos frutos atingiu um pico máximo de 87 % às 8 SAA, posteriormente sofreu queda gradual com valor mínimo de 23 % de teor de água às 58 SAA. Os padrões de crescimento do epicarpo, do endocarpo e da amêndoa foram descritos por um comportamento sigmoide simples (uma fase de acúmulo de matéria seca), e do mesocarpo por um comportamento sigmoide duplo (duas fases de acúmulo de matéria seca). Às 6 SAA foi possível separar fisicamente o epicarpo, o endocarpo e o mesocarpo o qual, neste estádio, estava constituído por: 25 % de amido, 10,5 % de AST, 9% de AR e 1,5 % de ANR. O acumulo de óleo no mesocarpo teve um comportamento linear com 10 % de teor de óleo às 34 SAA e atingindo 55 % às 62 SAA. O acúmulo de óleo no mesocarpo esteve diretamente relacionado com a queda no teor de amido. O epicarpo e o endocarpo atingiram o maior acúmulo de massa seca às 13 SAA e 24 SAA, respectivamente. O fruto de macaúba alcançaram o diâmetro externo transversal (DET) máximo (45 mm) às 13 SAA mantendo esse valor constante até a última avalição. 

Observou-se que os primeiros dois tecidos desenvolvidos foram o epicarpo e o endocarpo, consideradas estruturas de proteção do fruto e da semente, respectivamente. Após 13 SAA, iniciou-se o processo de amadurecimento do fruto, o qual foi separado em duas fases, física e química.

Para ter acesso ao artigo completo, clique aqui.

Fonte: Locus UFV

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página