Buscar

Anvisa aprova consulta pública sobre gorduras trans industriais em alimentos

quinta-feira, julho 25, 2019

Gorduras trans podem contribuir para o desenvolvimento de várias doenças: consumo acima de 1% do valor energético total afeta fatores de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Foto: Pixabay
Gorduras trans podem contribuir para o desenvolvimento de várias doenças: consumo acima de 1% do valor energético total afeta fatores de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Foto: Pixabay

A proposta é implementar um limite de 2% de ácidos graxos trans industriais (AGTIs) sobre o teor total de gorduras nos produtos alimentares destinados ao consumidor final

A Diretoria Colegiada da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta terça-feira a abertura de uma consulta pública que propõe requisitos para uso de gorduras   trans industriais em alimentos . A proposta é adotar, de forma gradual, a restrição de uso de ácidos graxos trans industriais (AGTIs) em produtos alimentícios. A consulta deve ser aberta nos próximos dias, após sua divulgação no Diário Oficial, e ficará disponível para contribuições por 60 dias.

O texto que será proposto pela Anvisa quer implementar um limite de 2% de AGTI sobre o teor total de gorduras nos alimentos destinados ao consumidor final. Essa restrição, que também seria válida para os serviços de alimentação, teria um prazo de adequação de 18 meses. 

A proposta partiu de uma análise de estudos científicos que demonstram que os ácidos graxos trans (AGTs) podem contribuir para o desenvolvimento de várias doenças , com evidências convincentes de que seu consumo acima de 1% do valor energético total afeta muitos fatores de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares , aumentando a ocorrência de eventos coronarianos e a mortalidade por essas causas. De acordo com a Anvisa, estima-se que, em 2010, o consumo excessivo de AGT foi responsável por 18.576 mortes por doenças coronarianas no Brasil. Esse número representou 11,5% do total de óbitos por essa causa.

— Este tipo de gordura causa alterações prejudiciais no colesterol. Ela não só eleva o colesterol total e o LDL (considerado ruim), como diminui o DHL (o bom) e aumenta as inflamações do organismo — explica Luiza Torquarto, assessora técnica do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN). — Temos evidências que associam o consumo de gorduras trans a maiores riscos de derrame, infarto, infertilidade, diabetes e até câncer. Seu uso tem um grande impacto na saúde pública e interfere também no fator socioeconômico. Em função dessas doenças, as pessoas deixam de trabalhar ou ficam incapacitadas, além destas enfermidades gerarem um custo muito alto para o sistema de saúde. 

Em maio de 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou o “Replace”, pacote de ação para apoiar os governos a eliminar a gordura trans produzida industrialmente da oferta global de alimentos até 2023. O pacote prevê a substituição do tipo trans por óleos e gorduras mais saudáveis. De acordo com o último Relatório de Eliminação Global da Gordura Trans 2019 da OMS, limites obrigatórios de AGTs ou proibições de óleos parcialmente hidrogenados estão em vigor em 28 países — o que representa 31% da cobertura global da população. No documento, o Brasil aparece como um dos países que ainda não possuem legislação sobre o tema, mas apresentam “medidas complementares” como “incentivar os consumidores a fazer escolhas mais saudáveis em relação aos AGTs produzidos industrialmente”. 

Após a análise das contribuições da consulta pública, a Anvisa fará uma regulamentação sobre o uso de gordura trans nos alimentos brasileiros. Uma segunda etapa — que será abordada em outra proposta — seria o banimento do uso de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados (do tipo AGTI) em alimentos no Brasil. Esta proibição seria implementada em um prazo adicional de mais 18 meses, após o fim da primeira etapa de restrições.

Presente em alimentos destinados a crianças 

As gorduras trans estão presentes em alimentos como margarinas, cremes vegetais, produtos de panificação e confeitaria, salgadinhos, sorvetes, chocolates, biscoitos, massas instantâneas e em grande parte dos produtos ultraprocessados, com consumo crescente no Brasil, inclusive nos destinados para o público infanto-juvenil, alerta uma nota de posicionamento a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran) e do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN): “esse tipo de gordura não é essencial para o organismo, não oferece nenhum benefício à saúde e é totalmente substituível”. 

Existem dois tipos de gorduras trans que podem ser encontradas nos produtos alimentícios: a natural, presente em alimentos derivados de animais ruminantes, como a vaca; e a industrial, feita nas fábricas de alimentos. 

— A industrial é a principal fonte desta gordura maléfica na nossa dieta. Ela é produzida por uma série de processos tecnológicos, sendo o principal deles o de hidrogenação parcial de óleos vegetais. Neste processo, o óleo líquido é hidrogenado e transformado em sólido, se transformando em gordura vegetal. Isto é muito usado nas indústrias de alimentos para aumentar a validade dos produtos, melhorar o sabor e a textura, conferir crocância aos alimentos, tudo isso com um baixo custo — diz Luiza Torquarto.

Fonte: O Globo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (20) Alimentos (227) animal nutition (1) Aspectos Gerais (177) Aviação (27) Aviation market (13) Biocombustíveis (177) Biodiesel (76) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (88) Biomass (7) Biomassa (54) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (3) Ciência e Tecnologia (182) Clima e ambiente (190) climate changed (28) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (16) Cosméticos (20) Crédito de Carbono (30) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (62) Economia Verde (159) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (7) Energia (28) Energia Renovável (158) event (6) Eventos (79) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (64) Food (41) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (79) Green Economy (123) health (22) Industry 4.0 (1) IPCC (14) livestock (4) Low-Carbon (40) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (515) Manejo e Conservação (44) Meio Ambiente (90) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3846) Mercado florestal (46) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (44) Oleochemicals (1) Óleos (213) other (1) Paris Agreement (64) Pecuária (62) Pegada de Carbono (42) pirólise (1) Plant Based (7) Política (55) Produtos (149) proteína vegetal (25) Recuperação de área Degradada (25) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (80) science and technology (26) Segurança Alimentar (37) Soil (7) Solos (8) Sustainability (39) Sustainable Energy (53) Sustentabilidade (305) Vídeo (193) World Economy (68)

Total de visualizações de página