Buscar

Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

terça-feira, junho 04, 2019

Resultado de imagem para Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

Resultado foi impactado positivamente pela aquisição de energia renovável

A Telefônica, com a marca Vivo no Brasil, vê na redução de emissões dos gases causadores do efeito estufa seu principal desafio relacionado aos temas ambientais para 2019. A meta está entre os objetivos globais de mudanças climáticas da Telefônica, voltados à diminuição de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), que incluem a redução de 50% do consumo de energia por unidade de tráfego e de 30% em emissões diretas e indiretas em termos absolutos até 2020. De acordo com o Relatório de Sustentabilidade da empresa, recém-publicado, a Vivo diminuiu em 36% suas emissões absolutas diretas e indiretas e  em 47% as emissões por unidade de tráfego em 2018, indo de 13,4 para 7,1 toneladas de CO2e  . 

Ainda segundo o relatório, a empresa cumpriu 93,7% dos indicadores definidos em seu Plano de Negócios Responsáveis em 2018, com destaque para a aquisição de energia renovável, iniciativa que contribui diretamente para a redução de emissões no Brasil. Desde outubro de 2018, 100% do consumo de energia da Vivo passou a ser proveniente de fontes renováveis, a partir da contratação de energia incentivada com atributo renovável no mercado livre, além de energia gerada por pequenas centrais hidrelétricas sob contratos de geração distribuída e da aquisição de garantias de origem renovável para o restante do consumo. No acumulado de 2018, 44% da energia consumida pela Vivo foi renovável. A iniciativa influencia de modo direto na redução de emissões de CO2e, que deve ser 70% menor em 2019.

Para a diminuição das emissões diretas, a empresa mantém iniciativas como a frota sustentável, que com  a substituição de gasolina para etanol em um frota de aproximadamente 3 mil carros em São Paulo. A Vivo também implantou uma normativa para redução de emissões de gases refrigerantes usados em ar condicionados e combustíveis usados em geradores com a Instrução de Compras de Baixo Carbono, proibindo a compra de equipamentos de gases com alto potencial de aquecimento global e incentivando o uso de equipamentos elétricos mais eficientes.

Negócio responsável

Outra iniciativa está relacionada ao próprio negócio. “Ao reduzir distâncias e simplificar processos, a digitalização promovida pelos nossos serviços reduz também o impacto ambiental de nossos clientes e possibilita a eles gerarem um impulso positivo para o planeta”, revela a executiva de Sustentabilidade da Vivo, Joanes Ribas. Em 2018, os serviços da Vivo ajudaram a evitar a emissão de 120,9 mil toneladas de CO2 pelos clientes, como, por exemplo, o uso da internet para compras online ou para reuniões.

Para acompanhar as metas traçadas nos objetivos de mudanças climáticas, a Telefônica conta com Planos de Energias Renováveis e  de Eficiência Energética. A empresa monitora as emissões geradas em sua operação seguindo as diretrizes internacionais do GHG Protocol, disponibilizando essas informações na plataforma do programa brasileiro. Desde 2012, o inventário é classificado com o Selo Ouro, a melhor classificação aplicável nesta plataforma.


Telefônica Sustentável

A Vivo, marca da Telefônica no Brasil, adota um modelo de negócios sustentável, com impacto positivo para a sociedade. Sua capacidade de gerar valor socioambiental está na natureza do negócio, que oferece conexão de qualidade em todo o País. Dessa forma, a empresa leva desenvolvimento aos lugares mais remotos, conectando pessoas no mundo digital.  Ao mesmo tempo em que oferece produtos e serviços inovadores, busca estimular o consumo responsável, reduzir o impacto das operações e pautar sua atuação em sólidas práticas de governança corporativa.

A empresa é a única operadora de telecomunicações do Brasil a compor por três anos consecutivos o ranking Emerging Market 70 Ranking, da Vigeo Eiris, que aponta as 70 companhias com atuação em mercados emergentes, selecionadas pelo bom desempenho em Sustentabilidade e Governança. A companhia também está presente pelo quinto ano consecutivo no ISE - Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3 que reúne as companhias com as melhores práticas de Sustentabilidade e Governança. A empresa também está entre os destaques da edição 2018 do Guia Exame de Sustentabilidade.

Fonte: Paraíba Total

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (10) Abiove (2) Acordo Internacional (8) Acrocomia aculeata (32) Agricultura (13) Agroenergia (21) Agroindústria (8) Agronegócio (34) Agropecuária (15) Alimentos (242) Amazônia (5) animal nutition (1) ANP (22) Arte (1) Artigo (6) Aspectos Gerais (177) Aviação (28) Aviation market (14) B12 (1) B13 (2) Bebidas (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (279) Biodiesel (175) Bioeconomia (26) Bioeletricidade (9) Bioenergia (61) Biofertilizantes (3) Biofuels (97) Biomass (7) Biomassa (68) Biomateriais (2) Biopolímeros (7) Bioproducts (1) Bioprodutos (4) Bioquerosene (25) Biotechnology (31) Biotecnologia (22) Bolsa de Valores (11) Brasil (6) Brazil (28) Cadeia Produtiva (3) Capacitação (1) Carvão Ativado (5) CBios (20) CCEE (1) Celulose (1) Cerrado (5) Ciência e Tecnologia (233) Clima e ambiente (199) climate changed (40) CNA (1) Cogeração de energia (20) Combustíveis (50) Combustíveis Fósseis (14) Comércio (2) Consciência Ecológica (9) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (3) Copolímeros (2) Cosméticos (22) Crédito de Carbono (37) Crédito Rural (1) Créditos de Descarbonização (11) Cultivo (97) Curso (1) Davos (2) Desenvolvimento Sustentável (33) Diesel (7) Diesel Verde (3) eco-friendly (4) Economia (50) Economia Circular (1) Economia Internacional (105) Economia Verde (166) Economy (30) Ecosystem (5) Efeito estufa (12) Eficiência energética (29) Empreendedorismo (2) Empresas (4) Energia (52) Energia Renovável (202) Energia Solar Fotovoltaica (5) Etanol (33) Europa (1) event (9) Eventos (92) Exportações (39) Extrativismo (30) FAO (1) Farelos (33) farm (1) Fibras (8) Finanças (3) Floresta plantada (85) Fomento (1) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (22) Gás (1) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (1) Glicerina (1) Global warming (87) Green Economy (123) health (22) IBP (1) Incentivos (1) Industry 4.0 (1) Inovação (35) IPCC (14) L72 (4) L73 (2) Legislação (5) Lignina (2) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (540) Madeira (4) Mamona (1) Manejo e Conservação (53) MAPA (3) Meio Ambiente (117) Melhoramento e Diversidade Genética (61) Mercado (3945) Mercado de Combustíveis (37) Mercado Financeiro (7) Mercado florestal (61) Mercado Internacional (23) Metas (1) Milho (4) MME (11) Mudanças Climáticas (4) Mundo (3) Nações Unidas (1) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (49) Oleaginosas (45) Oleochemicals (6) Óleos (231) Óleos Essenciais (1) ONU (5) other (1) Palma (7) Paris Agreement (80) Pecuária (71) Pegada de Carbono (69) Personal Care (2) Pesquisa (11) Petrobras (3) Petróleo (18) PIB (1) pirólise (2) Plant Based (14) Política (70) Preços (8) Preservação Ambiental (5) Produção Animal (2) Produção Sustentável (20) Produtividade (6) Produtos (150) Proteção Ambiental (1) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (35) Recuperação Econômica (1) Relatório (1) renewable energy (16) RenovaBio (25) Research and Development (9) Resíduos (2) SAF (2) Saúde e Bem-Estar (88) science and technology (45) Sebo (1) Segurança Alimentar (71) Segurança Energética (6) Selo Social (1) Sistema Agroflorestal (10) Sistemas Integrados (2) Soil (8) Soja (23) Solos (11) Sustainability (45) Sustainable Energy (64) Sustentabilidade (412) Tecnologia (1) Transportes (3) Turismo Sustentável (2) Vídeo (215) World Economy (74)

Total de visualizações de página