Buscar

Na Comissão de Meio Ambiente, empresários defendem ‘lucro verde’

quinta-feira, junho 13, 2019

Comissão de Meio Ambiente (CMA) realiza audiência pública interativa para taratr sobre o tema “Lucros verdes: como empresas brasileiras se tornaram prósperas e competitivas preservando o meio ambiente” como parte das ações do Junho Verde.  Mesa: CEO da Sunew, Tiago Alves; professor de Agronomia do campus Ipameri da Universidade Estadual de Goiás (UEG-GO), Roberto José de Freitas; presidente eventual da CMA, senador Confúcio Moura (MDB-RO); gerente sênior de Sustentabilidade da Natura, Luciana Villa Nova.  Foto: Pedro França/Agência Senado
Da esquerda para a direita: o empresário de energia solar Tiago Alves, o professor de Agronomia Roberto José de Freitas, o senador Confúcio Moura e a gerente de sustentabilidade da Natura, Luciana Villa Nova


Preservar a natureza pode dar lucro. A opinião é de especialistas que participaram nesta terça-feira (11) de uma audiência pública na Comissão de Meio Ambiente (CMA). Para eles, empresas que protegem o ecossistema demonstram responsabilidade social e se tornam mais competitivas do que a concorrência. O debate fez parte da campanha “Junho Verde”, iniciativa do Senado para a conscientização sobre a importância de preservação ambiental.

A maior empresa de cosméticos da América Latina é tida como referência na integração entre desenvolvimento e sustentabilidade. Há 50 anos no mercado, a Natura tem um portfólio com mais de 850 produtos e está presente em nove países. No quarto trimestre do ano passado, a empresa registrou lucro de R$ 381,7 milhões, expansão de 48,7% em comparação com o mesmo período de 2017.

A gerente de Sustentabilidade da Natura, Luciana Villa Nova, citou algumas medidas adotadas pela empresa para promover o chamado “lucro verde”. Entre elas, o cuidado com a origem da matéria prima, a proibição de testes de produtos em animais, o uso de embalagens ecológicas e o desenvolvimento de fórmulas sem componentes sintéticos ou petrolíferos.

— A gente pode sim trazer a conservação como princípio de exploração econômica, mas ao mesmo tempo de preservação ambiental. Uma empresa tem que promover impacto positivo. Em vez de degradar o meio ambiente, ela deve regenerar o meio ambiente e contribuir para um maior desenvolvimento e inclusão social. Precisa trabalhar um modelo que influencie a cultura de consumo: um consumo mais positivo e sustentável. Ela precisa obter resultado econômico a partir desse modelo — argumenta.

Luciana Villa Nova disse que uma das preocupações da Natura é compensar toda a emissão de carbono envolvida no processo produtivo: cerca de 300 mil toneladas por ano. A empresa aposta em estratégias como a compra de créditos de carbono.

— São mais de 30 projetos de reflorestamento ou mudança de matriz energética no Brasil e na América Latina, principalmente na Região Amazônica. Isso pode levar inclusive renda às famílias. Um projeto que a gente faz há dois anos no Acre é a compra de crédito de carbono de pequenos produtores rurais. Por 25 anos, eles assumem o compromisso de manter a floresta intacta e recebem uma renda por isso — explica.

Matriz energética

Outra medida ambientalmente correta que pode render lucro é a mudança na matriz energética. O engenheiro Tiago Alves é diretor executivo da Sunew, empresa que desenvolve painéis de filmes fotovoltaicos orgânicos para transformar a luz do sol em energia elétrica. Ele argumenta que a transição de combustíveis fósseis para energias renováveis é uma “imposição científica”.

— Se a gente continuar emitindo gases de efeito estufa, vai ter mais uns 15 anos de vida como planeta. O sol é a grande resposta. É a fonte mais abundante, barata e limpa. É a matriz que mais gera emprego — afirma.

Tiago Alves lamenta que no Brasil, onde há um “potencial solar gigante”, apenas 2% da matriz energética seja fotovoltaica. Ele apresentou uma lista de empresas internacionais que pretendem converter 100% da matriz para fontes renováveis no futuro próximo.

— Nenhuma dessas empresas é boba. Elas almejam lucro, mas também almejam fazer o que é certo. No Chile, o preço da energia solar é metade do do carvão. Isso não é mais mito ou previsão de futuro. É indissociável o lucro da boa prática social e ambiental. É até possível ter lucro no curto prazo sem uma boa prática. Mas, no longo prazo, essa é a única forma. A sustentabilidade é um pilar da lucratividade. Esse é o novo paradigma que nossos consumidores exigem. É um erro empresarial achar que isso é um custo. É uma ferramenta habilitadora — argumenta.

Agricultura

O agronegócio também pode contribuir com uma produção ecologicamente sustentável. O agrônomo Roberto José de Freitas expôs na audiência pública a experiência da Fazenda Santa Brígida, em Ipameri (GO). A propriedade associa técnicas de agricultura e pecuária para elevar a produtividade em áreas já degradadas e evitar a expansão do pasto e das plantações para regiões de mata virgem.

— No verão tudo é grão e no inverno tudo é ocupado com pastagens. Há um sistema de produção o ano inteiro, e essa pastagem vai melhorar o sistema para o próximo ciclo agrícola. Há um crescimento constante da produtividade. O sistema que estamos apresentando não está ocupando sistemas naturais. Ele está substituindo pastagens degradadas. O propósito maior é ampliar a produção agrícola nas áreas já existentes — explica.

Roberto José de Freitas criticou tentativas de flexibilização do Código Florestal (Lei 12.651 de 2012). Para o agrônomo, a preservação do meio ambiente deve ser considerada uma aliada dos produtores rurais.

— É um baita engano do agronegócio brasileiro apoiar medidas de redução de áreas de preservação ambiental. O agronegócio será prejudicado rápida e diretamente se esta Casa aprovar o recuo nas medidas de proteção. O fazendeiro às vezes não tem a sensibilidade de perceber que o ambiente bem preservado vai reduzir problemas de pragas e doenças. Quando ele conserva a água, ele é o primeiro beneficiário — afirma.

O senador Otto Alencar (PSD-BA), que se diz um defensor do agronegócio, também critica as tentativas de alteração no Código Florestal.

— Quando vejo alguém querer dar condição de desmatamento de mais 5 milhões de hectares no Brasil, parece que esse povo não tem filho nem neto. Esse pessoal no futuro vai querer beber água de qualidade e em quantidade suficiente. As futuras gerações vão precisar de água. Vai ser uma situação muito grave. Esse país, na minha opinião, é o país mais irresponsável do mundo com o meio ambiente — afirmou.

Fonte: Agência Senado

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página