Buscar

Mídia desperta, enfim, para a grande tragédia da devastação amazônica

sexta-feira, junho 07, 2019

A iminente possibilidade de a Amazônia virar um Cerrado ou uma Savana Africana começa a despertar, embora ainda timidamente, o interesse da mídia nacional em alertar os brasileiros para os graves riscos econômicos e socioambientais que ameaçam o grande diferencial que o país tem para mostrar e oferecer ao mundo, como é o caso da Amazônica, considerada a maior, mais rica e mais bonita floresta tropical do planeta.

O despertar da mídia nacional para tal preocupação começa quando o país já apresenta desmatamento de mais de 20% de sua grande floresta, que há muito vem sendo considerada por cientistas de todo o mundo como essencial ao equilíbrio climático da Terra. Isso ocorre porque, além de deixar de absorver parte do gás carbônico produzido pelo resto do mundo, a eliminação da floresta por si só contribui para a emissão dos gases de efeito estufa, os responsáveis pelo aquecimento global.

A mídia nacional também despertou para o gigantesco desastre ambiental que vai representar o fim da Amazônia só depois que os cientistas passaram a advertir ao mundo que se o desmatamento na grande floresta passar nos próximos anos dos 25% de sua área original de 500 milhões de hectares (59% do território brasileiro e 60% da Amazônia sul-americana), vai complicar muito a vida não só das 20 milhões de pessoas que moram na região, mas também das que habitam no Sudeste, Sul e Centro-Oeste, onde vive a grande maioria da população brasileira.

Essas regiões brasileiras, assim como as dos outros países do Cone Sul (Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai), ficariam sem água suficiente para beber e produzir alimentos porque as chuvas que chegam à região são formadas pelos "rios voadores" da Amazônia, como já são chamados popularmente os grandes cursos d'água atmosféricos originários da grande floresta brasileira.

Nos últimos dias, a mídia nacional, a começar da Rede Globo, através de reportagens especiais no Jornal Nacional, publicou matérias de cunho científico mostrando que vários cientistas brasileiros estão fazendo um mapeamento bastante detalhado da região amazônica, tanto por terra quanto pelo ar, com o objetivo de avaliar o papel da gigantesca floresta brasileira no clima do planeta.

Pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Paulo Barreto destaca que 42% de toda a poluição causada pelo Brasil, que influencia o clima, provêm do desmatamento. Em outra reportagem, o Jornal Nacional aponta que pesquisas conduzidas pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) demonstram que os cientistas já sabem da importância da grande floresta amazônica para o planeta e para as pessoas, pois ela absorve 10% do gás carbônico atualmente jogado no ar em todo o mundo.

Intitulada "Desmatamento da Amazônia avança depois de anos em queda", matéria do site da revista Exame destaca que algo alarmante escapou à atenção de grande parte do mundo, que é o fato do desmatamento estar crescendo há anos. Na Amazônia brasileira, segundo a revista, o nível de desmatamento aumentou 73% entre 2012 e 2018, revertendo um esforço bem-sucedido para refrear a atividade de madeireiros, de pecuaristas e de agricultores ao longo de quase uma década.

Ao lembrar que, no ano passado, houve desmates de quase 800 mil hectares de floresta, uma área maior que a de Xangai, a matéria da revista aponta como principais razões para o avanço do desmatamento a anistia a fazendeiros que desmataram ilegalmente a floresta, a criação de lei que facilitou a obtenção de direito de propriedade de terras ocupadas ilegalmente e a redução das inspeções ambientais na região.

Por fim, a reportagem da revista prevê a ampliação do desastre ambiental na região com o plano do governo de Jair Bolsonaro de aumentar o acesso à Amazônia com iniciativas de afrouxar as restrições às atividades do agronegócio da soja, da pecuária e da mineração em áreas protegidas da região, inclusive em terras indígenas. "Para os ambientalistas que monitoram o aumento do aquecimento global, isso significa desastre", assinala a matéria.

Reportagem publicada pelo Portal G1, da Globo.com, por sua vez, também divulga estudo apontando que o Brasil é de longe o país, entre os nove incluídos no bioma amazônico sul-americano, que mais alterou leis que deveriam proteger a Amazônia, promovendo 66 das 115 alterações legislativas ocorridas entre os anos de 1961 e 2017.

Baseado em dados levantados por pesquisadores liderados pela ONG Conservação Internacional, o estudo intitulado "O futuro incerto das terras e águas protegidas" revela que dos 18 milhões de hectares da Amazônia que tiveram o status de conservação alterado entre 1961 e 2017, 11 milhões de hectares estão no território nacional.

Fonte: Brasil 247

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página