Buscar

Doenças do coração: hipertensão é silenciosa e atinge quase 25% dos moradores das capitais do Brasil

terça-feira, maio 21, 2019

Estresse, sedentarismo, apneia do sono, fumo e a obesidade também são fatores de risco para a doença. 

Consumo excessivo de sal é um dos maiores vilões para a doença

A hipertensão atinge 24,7% dos moradores das capitais do Brasil. Os dados foram divulgados pela pesquisa do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018). A cidade de Vitória está entre as principais capitais onde há mais pessoas com pressão alta, ainda conforme a pesquisa.

Mas o que seria a hipertensão? Uma doença crônica, isto é, sem cura, caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. E o que faz a pressão subir tanto? Os fatores são inúmeros, como o estresse, sedentarismo, apneia do sono, fumo e a obesidade, mas um dos maiores vilões é o sal de cozinha! Isso porque o seu principal componente é o sódio, presente também em alimentos industrializados. 

Dados do ministério da saúde revelam ainda que, embora 90% dos homens e 70% das mulheres consumam mais sal do que o máximo recomendado, 85,1% dos brasileiros adultos consideram seu consumo de sal adequado.

O médico cardiologista do Grupo Meridional, Eduardo Castro, explica que um dos grandes problemas é que os sintomas da hipertensão só aparecem quando a pressão sobe muito, e a maioria das pessoas com a doença só descobrem durante uma crise. 

"A doença cardíaca hipertensiva foi o segundo problema do coração que mais matou capixabas nos últimos anos. Só nos dois primeiros meses de 2019, foi responsável por 110 internações. No Brasil, a hipertensão afeta um em cada quatro adultos, e, 34 pessoas morrem por hora no país vítimas de doenças cardiovasculares, sendo a pressão alta, o principal fator de risco", informou Eduardo Castro. 


Como saber que sou hipertenso?

Segundo cardiologista do Grupo Meridional, uma pressão considerada ótima é 12/8. Quando a pressão está acima desse número com frequência em pessoas que não tem diabetes, é preocupante, havendo necessidade de tratamento farmacológico (com remédios) e considerando a pessoa hipertensa. Pessoas com diabetes, ou com problemas chamados de lesão em órgão-alvo, ou seja, em que a hipertensão já causou alterações nas estruturas do seu coração, ou em outros órgãos específicos, é necessário começar o tratamento com fármacos de forma precoce. 

Caso 

A aposentada Ivane dos Reis, de 80 anos de idade, é hipertensa. Ela não sabe quando foi acometida pela doença, mas conta que após a morte do marido, e com o aumento de tarefas e responsabilidade de criar sozinha os filhos pequenos, trabalhar dentro e fora de casa, o estresse se tornou diário e intenso, e a preocupação com a saúde nunca esteve em primeiro lugar. 

Desde que descobriu a doença, Ivane já passou por duas pontes de safena, cateterismo e angioplastia, e, ainda sofre com os efeitos da doença: acorda sem poder respirar e precisa estar sempre em ambientes arejados, um pequeno esforço já faz com que sinta fadiga, dor no peito e o coração acelerado. Apesar de não ter cura, a hipertensão pode ser controlada. Medir a pressão regularmente se torna uma necessidade para checagem da doença. 

Hoje Ivane se cuida, quer dar vida longa ao seu coração e deixa um recado: "menos estresse, não esquente muito a cabeça, cuide das suas tarefas, mas não fique só em função disso". 

Veja alguns alimentos que ajudam a baixar a pressão arterial: 

- Frutas frescas;

- Óleos vegetais, como azeite de oliva;

- Água de coco;

- Queijos sem sal;

- Cereais integrais;

- Ovo cozido;

- Suco de beterraba;

- Legumes;

- Iogurtes light.

É importante lembrar que quem sofre com pressão alta precisa aumentar o consumo de água. O indicado é beber entre 2 a 2,5 litros de água por dia. Além disso, exercícios físicos regulares de baixa intensidade, como caminhada 3 vezes por semana é indicado. 

O Jornal da TV Vitória preparou uma série especial com três reportagens sobre Doenças do Coração. Clicando aqui você confere o primeiro episódio da série que fala sobre a Hipertensão.

Fonte: Folha Vitória

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (284) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página