Buscar

Crise do etanol segura plano de usinas de biomassa

quinta-feira, maio 16, 2019

Resultado de imagem para Crise do etanol segura plano de usinas de biomassa

A crise que toma conta da indústria do etanol passou a contaminar os projetos de geração de energia alimentados pelo bagaço de cana, uma fonte que hoje responde por 9,2% de toda a capacidade instalada de energia no País. A maior parte das usinas de biomassa em construção vive situação preocupante de atraso ou simplesmente não tem mais previsão para conclusão. Aquelas em situação financeira mais grave já deram início a processos de revogação de contratos com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A geração por biomassa equivale a toda a capacidade produzida por usinas movidas a carvão, óleo diesel e nuclear – um conjunto de 1.224 usinas que entregam 10% do parque instalado de energia. Os dados oficiais apontam que, atualmente, há 58 usinas de biomassa outorgadas pela Aneel com previsão de iniciar operação comercial até 2020. A realidade, porém, é que apenas 14 usinas estão com seus cronogramas em dia. Em 20 empreendimentos, a situação é de alerta e tudo indica que haverá novos adiamentos.

Para 24 projetos, contudo, o cenário é crítico: oito deles estão com proposta de revogação de contrato em andamento, 13 estão sem perspectiva de início de obras e três estão parados.

“Isso é o reflexo da situação difícil que todo o setor vive no País. É um efeito dominó. As usinas de açúcar e álcool passam por complicações devido ao alto grau de endividamento”, diz Newton Duarte, presidente da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen).

A origem de todos os problemas, criticam os especialistas, está na política de controle de preços da gasolina imposta pelo governo, o que tira a competitividade do etanol nos grandes mercados consumidores do país. “Essa falta de política para o etanol nos levou a ter hoje 70 empresas em situação financeira extrema, com paralisação de operações ou em processo de recuperação judicial”, diz Duarte.

A geração de energia a partir da biomassa é feita hoje por 486 usinas no País, que somam capacidade de 12.056 megawatts.

A oferta de energia dessas usinas, geração que a princípio tinha o propósito de autoconsumo, acabou se convertendo em um integrante importante na matriz elétrica nacional – sobretudo, em um momento em que o País precisa poupar água em seus reservatórios para garantir o abastecimento.

Apesar do cenário nebuloso, os especialistas apostam numa possível retomada dos projetos de geração a biomassa, a partir do leilão de energia chamado “A-5”, marcado para 28 de novembro, quando serão contratadas usinas de todas as fontes para entrada em operação daqui a cinco anos. Um total de 32 projetos de térmicas a biomassa se cadastrou para o leilão, com previsão de entregarem até 1.917 megawatts de energia. Dos 32 cadastrados para o leilão, dez térmicas estão previstas para São Paulo.

Para esses empreendimentos, o governo fixou um preço-teto de pagamento por megawatt/hora, de R$ 197. Vence o leilão aquele que apresenta o maior deságio em relação a esse preço. A avaliação no setor é de que o preço permitirá competição entre as empresas, com possibilidade de que ao menos metade da energia cadastrada seja efetivamente contratada pelo governo.

Potencial

A evolução da biomassa na matriz energética depende, essencialmente, da capacidade de inovação técnica das usinas sucroalcooleiras. O setor, que inicialmente só usava a biomassa para o autoconsumo, seja em produção de calor ou de eletricidade, passou a ser um exportador de energia para a matriz elétrica do país. As estimativas apontam que o negócio de energia com o bagaço pode responder por mais de 10% do faturamento dessas empresas.

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) diz que a bioeletricidade tem um potencial de mais de 13 mil megawatts médios no Brasil, o equivalente a quase três vezes a energia firme a ser entregue pela hidrelétrica de Belo Monte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Jornal de Brasília

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (29) Acrocomia aculeata (56) Agricultura (143) Agroenergia (121) Agroindústria (23) Agronegócio (140) Agropecuária (41) Água (10) Àgua (1) Alimentos (321) Amazônia (34) animal nutition (1) ANP (67) Arte (1) Artigo (33) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation market (19) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (386) Biodiesel (279) Biodiversidade (4) Bioeconomia (73) Bioeletricidade (25) Bioenergia (177) Biofertilizantes (7) Biofuels (102) Bioinsumos (6) Biomass (7) Biomassa (86) Biomateriais (6) Biopolímeros (9) Bioproducts (2) Bioprodutos (20) Bioquerosene (39) Biorrefinaria (1) Biotechnology (35) Biotecnologia (74) Bolsa de Valores (22) Brasil (14) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (12) Carbonatação (1) Carbono Zero (13) Carvão Ativado (7) CBios (50) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (10) Cerrado (15) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (315) Clima e ambiente (246) climate changed (47) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (28) Comércio (24) Consciência Ecológica (23) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (33) Crédito de Carbono (39) Crédito Rural (4) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (120) Curso (4) Dados (1) Davos (3) Dendê (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (141) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (14) eco-friendly (4) Economia (70) Economia Circular (7) Economia Internacional (109) Economia Sustentável (1) Economia Verde (170) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (16) Eficiência energética (44) Emissões de Carbono (15) Empreendedorismo (6) Empresas (48) Energia (83) Energia Renovável (241) Energia Solar Fotovoltaica (19) Etanol (71) Europa (1) event (11) Eventos (132) Exportações (75) Extrativismo (52) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (13) Floresta plantada (103) Fomento (16) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (106) Green Economy (126) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (101) Instituição (1) Investimento (3) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (48) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (565) Madeira (14) Mamona (1) Manejo e Conservação (98) MAPA (17) Matéria Prima (1) Matéria-Prima (1) matérias-primas (2) Meio Ambiente (209) Melhoramento e Diversidade Genética (69) Mercado (4032) Mercado de Combustíveis (59) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (69) Mercado Internacional (38) Metas (2) Milho (13) MME (30) Mudanças Climáticas (27) Mundo (54) Nações Unidas (1) net-zero (12) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (82) Oleochemicals (8) Óleos (247) Óleos Essenciais (4) Óleos Vegetais (3) ONGs (1) ONU (10) Oportunidade (2) Oportunidades (2) other (1) Palma (20) Paris Agreement (90) Pecuária (79) Pegada de Carbono (86) Personal Care (3) Pesquisa (49) Petrobras (9) Petróleo (25) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (21) Política (77) Preços (31) Preservação Ambiental (28) Produção Animal (7) Produção Sustentável (40) Produção vegetal (3) Produtividade (39) Produtos (150) Proteção Ambiental (10) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (4) Relatório (11) renewable energy (19) RenovaBio (56) Report (1) Research and Development (10) Resíduos (6) SAF (3) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (98) science and technology (46) Sebo (5) Segurança Alimentar (105) Segurança Energética (12) Selo Social (5) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (24) Sistemas Integrados (13) Sociobiodiersidade (1) Soil (9) Soja (62) Solos (37) Sustainability (55) Sustainable Energy (67) Sustentabilidade (542) Tecnologia (36) Transportes (5) Turismo Sustentável (5) Unica (1) Vídeo (237) World (1) World Economy (78) Zero-Carbon (1)

Total de visualizações de página