Buscar

Alimentos saudáveis estão entre as principais tendências do mercado

quinta-feira, maio 02, 2019

Resultado de imagem para alimentos saudáveis

Atualmente o Brasil é o 4º colocado em consumo de alimentos saudáveis no ranking global e movimenta US$ 35 bilhões por ano, de acordo com uma pesquisa realizada pela Euromonitor. Segundo a agência internacional de pesquisa de mercado, nos últimos cinco anos, o crescimento do setor de alimentos e bebidas saudáveis foi, em média, de 12,3% ao ano e em 2019, a previsão é que o segmento cresça ainda mais e atinja 50%, movimentando R$ 110 milhões. Dentro deste segmento há alguns setores que têm se destacado, como os de alimentos plant based, ou seja, com matéria-prima de origem vegetal, clean label, que significa rótulo limpo, e free from, sem a adição de algum ingrediente, como glúten, açúcar, aditivos químicos e leite de vaca. O mercado nacional nessa segmentação cresceu 58,3% entre 2012 e 2017.

Alimentos que têm a saudabilidade como critério ocuparam 4 de 10 posições do ranking “10 Macro Trends” da revista norte-americana Forbes, que reúne as principais tendências do ramo de alimentos e bebidas para este e para os próximos anos, com efeitos a longo prazo. Os produtos plant based chegaram ao podium e ocuparam a segunda colocação. A  dieta é baseada em vegetais e alimentos na sua forma mais natural, completa, não refinada e minimamente processada. A Revista aponta o crescimento de um grupo chamado de “flexitarianos”, ou seja, pessoas que diminuíram o consumo de produtos de origem animal como carnes e laticínios, mas que se permitem abrir algumas exceções. De acordo com o relatório: “Seu comportamento deve impulsionar o crescimento da alimentação baseada em vegetais ao longo dos próximos anos. O surgimento de instituições como a “Plant Based Foods Association” e a “Good Food Institute”, organizações sem fins lucrativos com o objetivo de promover a alimentação à base de plantas, devem fortalecer ainda mais esse mercado, que também já conta com empresas especializadas na produção de alimentos à base proteína vegetal com sabor de proteína animal. Além disso, também há restaurantes e chefs empenhados em desenvolver pratos vegetarianos mais elaborados aos consumidores”.

Em 7o lugar no ranking, está o termo clean label, a expressão em português significa rótulo limpo e já está sendo utilizada entre os brasileiros mais antenados em alimentação saudável. A ideia é que todos os ingredientes devem ser de origem natural, o que significa que os aditivos químicos devem ficar de fora da formulação como: conservantes, corantes, realçadores de sabor, edulcorantes e aromas artificiais, entre tantos outros. Os produtos também não devem ter uma lista grande de ingredientes, nem nomes desconhecidos do grande público. A indústria de alimentos está atenta ao aumento da preocupação do consumidor com as substâncias que compõem os alimentos e muitas empresas têm se adaptado à demanda por produtos mais naturais. As expressões ‘clean label’ e ‘rótulo limpo’ já aparecem em muitas embalagens. Mas atenção, não há nenhuma lei que determine os critérios para que um produto ganhe as definições‘. Portanto o consumidor não deve confiar apenas nelas. Caso tenha alguma alergia alimentar, é sempre importante conferir todos os itens descritos na embalagem.

Os malefícios do açúcar à saúde estão sendo considerados por uma parcela crescente de consumidores, que têm diminuído ou até acabado com o seu consumo.De acordo com a Revista Forbes: “O aumento no consumo de produtos com menos ou nenhum açúcar deve alterar o paladar da população, que ao longo do tempo vai considerar o que antes era consumido normalmente como muito doce. Outro ponto que pode influenciar nas preferências de doçura dos alimentos são as políticas públicas de combate ao excesso de açúcar, como a dos EUA, que a partir de 2020 obrigará os fabricantes a mudar os rótulos indicando a quantidade de açúcar adicionada aos produtos. À medida que os consumidores aprendem a ler esses rótulos, eles passam a exigir menos açúcar, o que ajuda a redefinir o paladar geral da sociedade”.

O relatório Brasil Food Trends 2020, enumerou uma lista de características valorizadas pelos novos consumidores, quando o assunto é saúde. Entre eles estão:

  • Produtos benéficos ao desempenho físico e mental;
  • Produtos benéficos à saúde cardiovascular;
  • Produtos benéficos à saúde gastrointestinal;
  • Para dietas específicas/restritivas/alergias alimentares;
  • Com aditivos e ingredientes naturais;
  • Funcionais (com valor nutritivo agregado);
  • Isentos ou teor reduzido de sal, açúcar e gorduras (better-for-you);
  • Orgânicos;
  • Minimamente processados.

De olho nas tendências do mercado, o Pão de Açúcar tem apostado cada vez mais no segmento. Desde o início de 2018, a rede está implementando gradualmente o projeto ‘Espaço Saudável’ em suas lojas, reformulando a exposição das categorias com a criação de uma seção exclusiva para as linhas de produtos. A seção está presente em 20 lojas da nova geração do Pão de Açúcar e agrupa os itens em quatro categorias: orgânicos, naturais, free from ( produtos sem açúcar, sem lactose e sem glúten) e funcionais, voltado a alimentos com alto benefícios à saúde além de suas funções nutricionais básicas, como barrinhas proteicas ou hiperproteicas. Com o projeto, o Pão de Açúcar registrou crescimento de 20% em vendas dessas categorias nas lojas onde o ‘Espaço Saudável’ já foi implantado, com relação ao ano anterior ao projeto, e mais de 500 novos produtos foram adicionados ao catálogo da rede. Até dezembro deste ano, o projeto deverá chegar a mais 40 unidades.

Fonte: Estadão

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (284) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página