Buscar

Indústrias aderem ao gás natural atentas às questões ambientais e econômicas

quarta-feira, abril 24, 2019

Foto sobre "Indústrias aderem ao gás natural atentas  às questões ambientais e econômicas"

Mudança na matriz energética da Mitsui Alimentos, de Araçariguama (SP), resultou em sinergia com o meio ambiente e uma economia anual prevista de quase R$ 1 milhão; consumo de gás natural cresceu 4,5% no segmento industrial brasileiro.

O consumo de gás natural na indústria cresceu 4,5% em 2018, se comparado ao ano anterior, revela levantamento feito pela ABEGÁS (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado) Os motivos, segundo a pesquisa, seriam, em primeiro lugar, a vantagem econômica, pois o gás natural é consideravelmente mais econômico que o óleo diesel e, em segundo, a questão ambiental. A quantidade de poluentes e gases causadores do efeito estufa emitidos é bem menor com o uso do gás, que emite 20% menos gás carbônico e até 90% menos partículas de fuligem.    

A empresa Mistui Alimentos, localizada em Araçariguama, interior de São Paulo, considerou, antes de tudo, o fator ambiental, mas não descartou a economia, obviamente. Por isso, há um mês, trocou o óleo diesel que utilizava em seu processo produtivo pelo gás natural. A fábrica especializada na produção de alimentos passou a utilizar o gás para o abastecimento do torrador de café, que foi projetado para o uso dos dois tipos de combustíveis e funcionava, há anos, com o diesel. Mas, a preocupação com o meio ambiente e a sustentabilidade falaram mais alto e, desde 2016, a direção tinha a expectativa de mudar a matriz energética da fábrica, explica o gerente de recursos humanos da Mitsui Alimentos, Reginaldo Oliveira, que também atua como responsável por projetos nos segmentos de saúde, bem-estar e meio ambiente. “Há anos, estamos trabalhando para diminuir o impacto da nossa produção no meio ambiente. Atuamos com ‘queima’ e nos pareceu coerente e importante reduzir a quantidade de monóxido de carbono que enviamos para a atmosfera. O gás natural nos atende muito bem nesse sentido”, fala. 

Para levar o gás natural até a indústria, foi construída uma extensão de rede de alta pressão de 2.700 metros em polietileno, partindo de outra rede já existente no perímetro urbano de Araçariguama. A obra, em si, foi rápida, demorando 60 dias, mas a negociação acabou se estendendo desde o primeiro contato com a empresa. “Foi um processo mais lento, em virtude da necessidade da liberação do DUP (Decreto de Utilidade Pública) pelo Governo do Estado de São Paulo e das licenças ambientais para a passagem da rede de distribuição de gás em áreas de APA (Área de Proteção Ambiental) e APP (Área de Proteção Permanente)”, comenta Danilo Kostenko, chefe de serviços de Grande Consumo e Soluções de Mobilidade da Naturgy, empresa distribuidora de gás natural canalizado para a região.


A Mitsui Alimentos empregava, desde a sua fundação, em 1974, o diesel nos equipamentos produtivos, mas, com o início do programa interno de gestão ambiental, a fonte energética passou a ser uma preocupação, em razão dos níveis de poluição. Durante a queima, o diesel libera metais pesados, nocivos ao homem e à atmosfera. “A Mitsui está dentro da área de concessão da Naturgy e tinha uma demanda inicialmente ambiental, pois o diesel é um combustível altamente poluente aplicado em um processo alimentício”, comenta Danilo.   

Inicialmente, o propósito era a atenção com o meio ambiente, mas a Mitsui também tem boa perspectiva quanto à redução dos custos de produção. Estudos indicam que o gás natural deve diminuir as despesas com a torrefação de café em até 42%. No caso da empresa, o resultado do investimento na troca da matriz energética será uma economia de quase R$ 1 milhão, por ano, devido ao preço mais competitivo do gás natural. “Em longo prazo, nossa expectativa de economia é grande, mas a primeira intenção era, realmente, reduzir a emissão de monóxido de carbono na atmosfera. A mudança faz parte de um plano de ação em que estamos trabalhando muito”, finaliza Reginaldo.

Fonte: JE Online

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (284) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página