Buscar

ILPF desponta como nova revolução agrícola

quarta-feira, abril 10, 2019

Créditos: Pixabay - ILPF desponta como nova revolução agrícola

Valdemar Antoniolli, chefe de uma família tradicional do Sul do País, é dono da Platina, propriedade rural de 2430 hectares em Santa Carmem, município localizado no norte do estado de Mato Grosso. Há quase 20 anos, a empresa, que foi adquirida em 1983 para somar aos negócios, era um problema: com uma textura média de 45% de argila no solo, eles viviam da pecuária, mas a atividade deixou as pastagens totalmente degradadas.

Foi em 2000 que essa história mudou. Na época, o agrônomo que trabalhava na região sugeriu ao seu Valdemar a adoção do sistema ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta), para recuperar a qualidade do solo e aumentar sua rentabilidade. A ideia foi aceita e logo começaram a colocar em prática o ILP, integrando a pecuária com o plantio de arroz, de forma pioneira na região. O cereal foi cultivado por quatro anos, período considerado de transição, necessário para preparação do terreno para a entrada da soja.

"Em pouco tempo, triplicamos o rebanho da fazenda e, de quebra, produzimos 80 mil sacas de soja por ano. É um sistema que só trouxe benefícios", afirma Juliano Antoniolli, filho de Valdemar, que hoje toca a fazenda com o irmão Giovani. O aumento na produtividade pecuária e o incremento de grãos foram apenas algumas das vantagens. Soma-se a isso o fato de que 100% da área produz o ano inteiro e a diversificação de renda, que agora engloba grãos, bezerros, boi magro, boi gordo, vaca descarte e bezerros ½ sangue. Hoje, a família já está adaptando a infraestrutura da propriedade para começar o plantio de árvores nos próximos anos e, assim, acrescentar o "F" de "floresta" ao ILP, que já praticam com excelência.

O caminho de Valdemar é parecido com o percorrido pela dentista Marize Porto, em Ipameri, no interior de Goiás, que assumiu em 2006 a gestão da Santa Brígida, uma fazenda de pecuária de corte com 960 hectares. Após o falecimento do marido, ela encontrou na Embrapa a solução para os pastos degradados, infestados de cupim e seu gado com baixa produtividade: o ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta). "Desde que introduzimos este método, nosso rendimento pecuário aumentou em dez vezes, a produção de soja e milho cresceu, e nossas emissões de CO2 diminuíram em mais da metade", conta Marize, que apenas no terceiro ano iniciou o trabalho florestal na propriedade. "Além de fornecer madeira e reduzir a pegada de carbono da fazenda, as árvores fornecem sombra para o gado. Agora, temos três fazendas em uma", completa.

A Fazenda Santa Brígida é hoje um dos principais exemplos de sucesso da adoção completa do ILPF, essa estratégia de produção que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área – podendo ser feita em cultivo consorciado, em sucessão ou em rotação, de forma que haja benefício mútuo para todas as atividades porque busca a intensificação sustentável do uso da terra e o aumento da eficiência dos sistemas de produção. É uma tecnologia de baixa emissão de carbono, considerada por muitos como o futuro da agricultura. "Nosso objetivo agora é aumentar o valor agregado em tudo que produzimos, seja soja, milho, carne ou árvores. Com ILPF, estamos mostrando que produzir e preservar é possível. Aqui somos sustentáveis, em todos os sentidos", finaliza Marize.

Juntos, vamos mais longe

Para impulsionar a adoção do sistema ILPF no País e integrar a cadeia produtiva – organizando dias de campo, promovendo pesquisas agronômicas e transferência de conhecimento –, a Embrapa estabeleceu uma parceria público-privada com empresas como John Deere, Syngenta e Cocamar, fazendo surgir a Associação Rede ILPF.

"Conseguimos desenvolver no Brasil uma agricultura baseada em ciência, e isso é para poucos países do mundo. Precisamos ter muito orgulho dos resultados alcançados nos últimos anos", é assim que Renato Rodrigues, pesquisador da Embrapa e presidente do Conselho Gestor da Associação Rede ILPF, se refere ao sistema.

Os números comprovam a eficiência desta solução, já que, por meio do ILPF, o Brasil conseguiu superar as metas estipuladas voluntariamente dentro do Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono), parte do Acordo de Paris, de atingir 9 milhões de hectares cobertos com essa tecnologia de produção rural até 2030. Hoje, segundo o IBGE, o País já conta com 15 milhões de hectares integrados, e, de acordo com o pesquisador, está agora buscando alcançar 30 milhões para o período estipulado, o triplo da meta proposta inicialmente.

"Temos espaço e tecnologia para isso. A ideia é fazermos o uso sustentável do solo, transformando pastagens degradadas em ILPF. Este é um dos grandes benefícios ambientais. Além disso, ao compararmos áreas que adotaram o método e aquelas com sistemas tradicionais, vemos um ganho mínimo de 15% de rentabilidade agrícola", explica.

Para Paulo Herrmann, presidente da John Deere Brasil, a rede foi criada exatamente para que o conhecimento técnico da Embrapa pudesse chegar aos produtores rurais e é isso que o grupo tem feito. "No período de 2012 a 2018, trabalhamos pela expansão do sistema e demos um salto significativo no número total de áreas que adotam o ILPF. Hoje, já temos sete empresas que participam da iniciativa conosco e estamos em uma nova etapa, levando essas informações para outros países, pois essa tecnologia pode ser aplicada em outros ambientes também", afirma.

Para o executivo, o ILPF é a resposta que o Brasil deve dar ao mundo, quando for questionado sobre a sustentabilidade de seu agronegócio. "Pesquisas apontam que, em 30 anos, China e Índia serão duas das maiores economias mundiais, os maiores importadores de alimentos, altamente populosos e sem produção agrícola suficiente. Ou seja, uma oportunidade real para o Brasil assumir protagonismo neste cenário. Precisamos construir esse caminho de liderança global. Ninguém melhor que o Brasil para mostrar que produzir e preservar o meio ambiente é possível, são frentes que caminham juntas", reflete Paulo Herrmann.

Fonte: Agrolink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página