Buscar

Óleo Lubrificante: como escolher a especificação certa

segunda-feira, março 04, 2019

Para definir o nível de viscosidade, é utilizado o grau SAE (sigla em inglês para Sociedade dos Engenheiros Automotivos) (Reprodução/Quatro Rodas)
Os rótulos devem informar a natureza do produto (mineral, semissintético ou sintético), a quantidade embalada, a composição, a aplicação a que se destina (motores ou tipos de combustível, transmissões, diferenciais etc.), o grau de viscosidade, os níveis de desempenho e benefícios, assim como advertências e precauções quanto ao manuseio, estocagem, transporte e descarte depois de utilizado ou sem uso.

Viscosidade e performance

Destas, as principais informações são a viscosidade e o requerimento de performance. Elas deverão estar de acordo com o que está estabelecido no manual do veículo.

“A viscosidade é a unidade de medida de fluidez de um lubrificante, ou seja, quanto maior a viscosidade, menor é a fluidez do lubrificante, e vice-versa”, explica Otávio Campos, consultor técnico da Shell.

Ele usa como exemplo a diferença entre a água e o mel. “Em uma mesma temperatura, a água flui mais rapidamente que o mel. Portanto, a viscosidade do mel é maior que a da água”, compara.

Nível de viscosidade

Para definir o nível de viscosidade, é utilizado o grau SAE (sigla em inglês para Sociedade dos Engenheiros Automotivos) expresso em números. Quanto maior o número, mais alta a viscosidade.

Por exemplo, um óleo SAE 40 é mais viscoso que um SAE 30. Atualmente, as montadoras indicam o uso de lubrificantes com multiviscosidade, ou seja, que têm um grau de viscosidade em baixas temperaturas e outro diferente em altas temperaturas.

Isso porque o principal influenciador da viscosidade é a temperatura. “É preciso ter um óleo que seja fluido o suficiente para a partida, com o motor frio, e eficiente para proteger os componentes do motor na temperatura normal de trabalho”, define Campos.

Daí vem a classificação feita por dois números separados pela letra W (do inglês winter, que significa inverno). Um lubrificante 5W30, por exemplo, tem viscosidade SAE 5W em baixas temperaturas e SAE 30 em temperatura de trabalho.

Requerimentos de performance

Já os requerimentos de performance são estabelecidos por associações automotivas reconhecidas na indústria, como a API (americana) e a ACEA (europeia), que definem um nível mínimo de desempenho que o lubrificante precisa atender, como degradação e evaporação, compatibilidade com componentes do motor e economia de combustível, entre outros aspectos.

Consultor da gerência de tecnologia e desenvolvimento da Petrobras, Marco Antonio de Almeida explica que a especificação de desempenho API para motores a gasolina, etanol, flex ou a gás (GNV) varia de SJ a SN.

Motores a diesel ou biodiesel

Para motores a diesel ou biodiesel, ela vai de CH-4 a CK-4. E qual usar no seu carro? Simples: utilize o óleo com o desempenho que consta do manual do veículo ou superior. 

Campos, da Shell, lembra que a segunda letra da especificação acompanha o alfabeto, ou seja, quanto mais avançada no alfabeto, maior o índice de performance.

Isso significa que a SN supera a SJ em termos de tecnologias. “Atualmente, a API SL é a mais antiga especificação do mercado, enquanto a SN é a mais moderna”, diz o consultor.

Também não é raro que algumas montadoras estabeleçam seus próprios requerimentos de performance, definidos por testes adicionais aos da API.

A Volkswagen, por exemplo, dispõe de uma especificação própria para seus motores bicombustíveis, chamada norma VW 50888 / 50999, para uso nos seus modelos em garantia a partir de 2014.

NATUREZA DO ÓLEO

Revela a origem do produto: mineral, semissintético (às vezes indicado como de “base sintética”) ou sintético. Quando a informação não está na parte frontal, geralmente é porque é do tipo mineral,  mas sempre deve constar no verso.

ÍNDICE DE VISCOSIDADE

É indicado pelo número que vai depois da palavra SAE. Quanto maior esse valor, mais viscoso (espesso) é o lubrificante. Quando há dois números, o que vai antes da letra W revela a viscosidade em baixas temperaturas e o que vai depois, em temperatura de serviço.

NÍVEL DE DESEMPENHO 

O padrão de performance mais comum no mercado brasileiro é o API, que atualmente começa no nível SJ (o mais baixo), passa por SL, SK e SM e vai até o SN (o mais elevado). Para motores a diesel, o padrão varia de CH-4 até CK-4.

DETALHES DA EMBALAGEM

Pelas regras da ANP, todo frasco deve exibir a quantidade de produto (geralmente é de 1 litro, mas há embalagens de 5 e 20 litros). Boa parte das marcas passou a adotar também um filete translúcido na lateral, que permite ver o nível do óleo depois que o frasco é aberto.

Fonte: Portal Lubes

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página