Buscar

Energia solar e eólica mostra potencial para crescer no Brasil

sexta-feira, março 15, 2019


O desenvolvimento de energia solar e eólica deverá crescer no Brasil nos próximos 5 a 10 anos e, segundo alguns relatos, pode representar 8,12% e 0,95% do consumo de eletricidade no Brasil.


Em um relatório recente da mídia local O Globo, o custo do equipamento de energia solar deve cair em 50%, o que, por sua vez, impulsionará o crescimento da distribuição dos próprios consumidores.

Segundo o relatório de 2016 do World Energy Council, “a capacidade instalada global de eletricidade movida a energia solar apresentou um crescimento exponencial, atingindo cerca de 227 GWe no final de 2015. Ela produziu 1% de toda a eletricidade utilizada globalmente”.

“A Alemanha tem levado instalações capacidade fotovoltaica na última década e continua como líder seguido por China, Japão, Itália e Estados Unidos.” Todos Lating americano e do Caribe produziu 0,09 por cento em 2015, mas o Brasil tem grande potencial devido à ampla disponibilidade de recursos solares e, portanto, não precisam ser centralizados.

A superintendente de energia do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carla Primavera, confirma o potencial de crescimento e diz que o mercado de energia renovável tem atraído grande interesse de investidores internacionais.

O BNDES foi o primeiro banco brasileiro a emitir Títulos Verdes, títulos lastreados em projetos de energia eólica e solar . Ela levantou US $ 1 bilhão – o equivalente a R $ 3,8 bilhões – para o setor, mas a demanda foi cinco vezes maior.

Antonio Bolognesi, da Opperman Engenheria e Consultoria (Opperman Engenharia e Consultoria) diz: “Em 2012, havia apenas uma usina fotovoltaica conectada ao sistema. Agora temos 40.000 a 50.000 conexões. Nos próximos 5 a 10 anos, chegaremos a um milhão.

Até agora, existem quase 600 parques eólicos e mais de 7.000 turbinas eólicas em doze estados diferentes. Demonstrando que a energia solar ainda tem uma presença emergente e espera-se que tenha um grande avanço.

O avanço das fontes de energia solar e eólica levanta discussões sobre a necessidade de manter os subsídios. Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), diz que a energia eólica logo ficará em segundo lugar na rede elétrica, superando a energia gerada pela biomassa.

Um dos muitos parques eólicos no Brasil, que deverão se tornar o segundo lugar na rede elétrica, a foto de recreação na internet.
No relatório O Globo, Já Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar, pede a criação de uma política para essa fonte de energia, por exemplo, em programas habitacionais e prédios do governo.

Ele também pede uma política industrial para fabricar módulos fotovoltaicos no país. Hoje, a carga tributária para a indústria chega a 50%, o que impossibilita competir com o produto importado.

Também deve ser levado em conta que, embora as condições para a energia solar fotovoltaica sejam favoráveis, a disseminação é restrita devido ao alto custo e à falta de desenvolvimento indígena.

Fonte: O Petróleo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (31) Acrocomia aculeata (62) Agricultura (195) Agricultura 4.0 (2) agriculture (1) Agroenergia (122) Agroindústria (24) Agronegócio (176) Agropecuária (48) Água (15) Àgua (1) Alimentação Saudável (7) Alimentos (342) Amazônia (51) Ambiente (1) animal nutition (1) ANP (74) Arte (1) Artigo (39) Aspectos Gerais (177) Aviação (31) Aviation fuel (2) Aviation market (19) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (405) Biodefensivos (1) Biodiesel (304) Biodiesel Empresas (1) Biodiversidade (9) Bioeconomia (91) Bioeconomia Agronegócio (1) Bioeletricidade (25) Bioenergia (187) Biofertilizantes (9) Biofuels (103) Bioinsumos (8) Biomass (7) Biomassa (88) Biomateriais (6) Biopolímeros (14) Bioproducts (2) Bioprodutos (21) Bioquerosene (41) Biorrefinaria (2) Biotechnology (35) Biotecnologia (78) Bolsa de Valores (25) Brasil (34) Brazil (29) Cadeia Produtiva (15) Capacitação (24) CAR (1) Carbonatação (1) Carbono Neutro (1) Carbono Zero (15) Carvão Ativado (8) carvão vegetal (2) CBios (62) CCEE (1) cellulose (1) Celulose (11) Cerrado (19) Chuvas (4) Cidades (1) Ciência e Tecnologia (349) Clima e ambiente (262) climate changed (52) CNA (1) Cogeração de energia (30) Combustíveis (92) Combustíveis Fósseis (33) Comércio (40) Consciência Ecológica (24) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (36) Crédito de Carbono (41) Crédito Rural (10) Créditos de Descarbonização (24) Culinária (1) Cultivo (121) Curso (5) Dados (1) Davos (4) Dendê (3) Desafios (2) Desenvolvimento Sustentável (156) Desmatamento (4) Diesel (15) Diesel Verde (20) eco-friendly (5) Economia (76) Economia Circular (10) Economia Internacional (110) Economia Sustentável (3) Economia Verde (171) Economy (32) Ecosystem (6) Efeito estufa (18) Eficiência energética (50) Emissões de Carbono (37) Empreendedorismo (7) Empresas (91) Energia (91) energia limpa (6) Energia Renovável (247) Energia Solar Fotovoltaica (21) ESG (5) Etanol (77) Europa (1) event (11) Eventos (141) Exportações (83) Extrativismo (58) FAO (4) Farelos (45) farm (1) Fertilidade (2) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (20) Floresta plantada (105) Fomento (30) Food (42) food security (8) forest (1) Fruticultura (1) Fuels (27) Gás (3) Gasolina (3) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (112) Green Economy (127) health (23) História (1) IBP (1) Incentivos (4) India (1) indústria (1) Industry (1) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (139) Instituição (1) Insumos (1) Investimento (4) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (7) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (50) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (577) Madeira (16) Mamona (1) Manejo e Conservação (102) MAPA (22) Mata Atlântica (1) Matéria Prima (2) Matéria-Prima (1) matérias-primas (3) Meio Ambiente (237) Melhoramento e Diversidade Genética (71) Mercado (4074) Mercado de Combustíveis (63) Mercado Financeiro (10) Mercado florestal (71) Mercado Internacional (43) Metas (3) Milho (15) Minas Gerias (1) MME (38) Mudanças Climáticas (30) Mundo (98) Nações Unidas (3) Negócios (2) net-zero (21) Nutrição animal (18) nutrition (9) Oil (51) Oleaginosas (95) Oleochemicals (10) Óleos (249) Óleos Essenciais (7) Óleos Vegetais (14) OMC (1) ONGs (1) ONU (13) Oportunidade (5) Oportunidades (5) other (1) Palm (1) Palma (26) palmeiras (1) Paris Agreement (92) Pecuária (84) Pegada de Carbono (94) Personal Care (3) Pesquisa (61) Pessoas (1) Petrobras (9) Petróleo (28) PIB (3) pirólise (3) Plant Based (26) Política (81) Política Ambiental (1) Preços (45) Preservação Ambiental (35) Produção Animal (7) Produção Integrada (1) Produção Sustentável (50) Produção vegetal (4) Produtividade (42) Produtos (150) Proteção Ambiental (11) proteína vegetal (28) Qualidade do Ar (2) Recuperação Ambiental (4) Recuperação de área Degradada (43) Recuperação Econômica (3) Reflorestamento (14) regulamentação (1) Relatório (12) renewable energy (19) RenovaBio (67) Report (2) Research and Development (11) Resíduos (11) Sabão (1) SAF (5) Safra (2) Saúde e Bem-Estar (115) science and technology (47) Sebo (5) Segurança Alimentar (127) Segurança Energética (13) Selo Social (11) silvicultura (2) Sistema Agroflorestal (33) Sistemas Integrados (18) Sociobiodiersidade (2) Soil (9) Soja (67) Solos (42) Sustainability (58) Sustainable Energy (69) Sustentabilidade (587) Tecnologia (44) Tempo (1) Títulos verdes (1) Transportes (5) Turismo Sustentável (6) Unica (1) Vídeo (247) World (4) World Economy (79) Zero-Carbon (2)

Total de visualizações de página