Buscar

Biocombustíveis: Devemos usar gramíneas ou milho e cana-de-açúcar?

terça-feira, março 12, 2019

Resultado de imagem para biocombustíveis

Biocombustíveis de gramíneas

Considerando que a produção convencional de biocombustíveis tem utilizado culturas alimentares como milho, soja, dendê e cana-de-açúcar, essas práticas têm suas armadilhas, como o uso intensivo de fertilizantes nitrogenados e a competição por terras férteis antes usadas para cultivar alimentos.

Por isso, em um experimento de 10 anos, a equipe da Universidade da Califórnia de Santa Bárbara explorou maneiras alternativas de gerar biomassa, com menos efeitos colaterais ambientais e econômicos.

"Nós queríamos ver se as gramíneas do campo poderiam ser uma cultura melhor," explicou o pesquisador David Tilman.

Biocombustíveis: Devemos usar gramíneas ou milho e cana-de-açúcar?Em contraste com as culturas anuais, as raízes profundas das gramíneas perenes são mais capazes de armazenar carbono na terra - um benefício ambiental adicional.

Além disso, o crescimento de uma diversidade de gramíneas perenes em terras tão inférteis que foram abandonadas pela agricultura "poderia minimizar a competição com os alimentos e as emissões de gases de efeito estufa associadas ao potencial desmatamento direto ou indireto, melhorar a recuperação de serviços ecossistêmicos e fornecer habitat para a vida selvagem," disse Tilman.

No entanto, como a terra estava esgotada de nutrientes, plantar e esperar ver no que dava não deu resultado. Assim, os pesquisadores, trabalhando com 36 áreas de cultivo e 32 espécies de pastagens nativas, decidiram encontrar a quantidade ideal de fertilizantes e irrigação que produziriam as maiores - e mais diversas - quantidades de biomassa, ao mesmo tempo resultando em armazenamento subterrâneo de carbono e lixiviação mínima de nitratos.

Adubo e irrigação moderados

O resultado, um tanto surpreendente, depois de uma década de observação e análise, foi que mais cuidados e mais gastos com a lavoura não é necessariamente melhor.

"Nossos resultados indicam que diferentes níveis de intensificação têm diferentes benefícios e custos ambientais," disse o pesquisador Yi Yang.

De fato, tratamentos moderados - baixa taxa de fertilizantes nitrogenados e pouca água de irrigação - resultaram em melhores rendimentos de biomassa e armazenamento de carbono. Mais especificamente, resultaram no dobro de rendimento e armazenamento em comparação com as áreas não tratadas.

Enquanto isso, as áreas tratadas com mais intensidade resultaram em economia 30% menor de gases de efeito estufa, 10 vezes mais lixiviação de nitratos e 120% maior perda na diversidade de plantas do que suas equivalentes moderadamente tratadas.

Menos efeito estufa e ganhos ecológicos

Embora os resultados indiquem que o rendimento energético do manejo ótimo das gramíneas é um pouco menor por hectare do que para o etanol de milho tradicional, as gramíneas foram cultivadas em terras muito inférteis para o milho.

Além disso, como foi usado muito menos fertilizante nitrogenado do que para o milho, e especialmente por causa da alta taxa de armazenamento de carbono nos solos, a bioenergia das gramíneas cultivadas otimamente proporcionou uma economia muito maior no tocante aos gases de efeito estufa, devendo juntar-se a isso os benefícios da restauração ecológica.

"Nosso estudo sugere que a otimização de múltiplos benefícios ambientais requer práticas sustentáveis de intensificação apropriadas para os solos, clima e espécies de plantas de uma região," disse Yang.

Fonte: Inovação Tecnológica

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (186) animal nutition (1) Aspectos Gerais (164) Aviação (22) Aviation market (11) Biocombustíveis (154) Biodiesel (52) Bioeconomia (14) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (68) Biomass (7) Biomassa (47) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (20) Biotecnologia (2) Brazil (17) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (157) Clima e ambiente (157) climate changed (6) Cogeração de energia (9) COP24 (73) COP25 (8) Cosméticos (18) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (59) Economia Verde (145) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (3) Energia (24) Energia Renovável (128) event (4) Eventos (63) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (55) Food (38) food security (1) Fuels (16) Global warming (75) Green Economy (95) health (19) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (8) Macaúba (451) Manejo e Conservação (29) Meio Ambiente (67) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3797) Mercado florestal (40) Nutrição animal (14) nutrition (9) Oil (38) Óleos (200) other (1) Paris Agreement (45) Pecuária (50) Pegada de Carbono (37) pirólise (1) Plant Based (5) Política (41) Produtos (118) proteína vegetal (13) Recuperação de área Degradada (21) renewable energy (5) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (54) science and technology (21) Segurança Alimentar (31) Soil (7) Solos (8) Sustainability (26) Sustainable Energy (51) Sustentabilidade (255) Vídeo (193) World Economy (56)

Total de visualizações de página