Buscar

GNA fecha contrato de R$ 1,76 bilhão com BNDES

sexta-feira, janeiro 04, 2019

A Gás Natural Açu (GNA), joint venture formada pela Prumo Logística, BP e Siemens, deu um passo importante no plano de instalar um parque térmico para a geração de energia elétrica no Porto do Açu, litoral nordeste do Rio de Janeiro.

Ontem, uma sociedade de propósito específico (SPE) controlada pela GNA, a UTE GNA I Geração de Energia S.A., assinou contrato de financiamento de R$ 1,76 bilhão com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a implantação no Açu de uma térmica a gás natural com capacidade de 1,3 gigawatt (GW). Parte dos recursos será destinada à construção de um terminal de importação e de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) no próprio porto.

O crédito do BNDES para a GNA representa quase 40% do investimento total no projeto da UTE GNA I, de R$ 4,5 bilhões. A previsão é de que a unidade comece a operar comercialmente em janeiro de 2021. A GNA tem outro projeto, a GNA II, também no Açu, com capacidade de geração de 1,7 GW e previsão de entrada em operação em 2023. Juntas, as duas unidades vão garantir um parque gerador de 3 GW de energia firme. Bernardo Perseke, presidente da GNA, disse que o empreendimento é parte do “maior complexo termelétrico a gás natural da América Latina”. Ele afirmou que os sócios da companhia estruturam a forma de financiar o projeto da usina GNA II.

O diretor de infraestrutura e governo do BNDES, Marcos Ferrari, disse que a operação de financiamento com a GNA I envolve fatores inéditos para o banco. É a primeira vez que o BNDES financia térmica movida a GNL. Quando a usina estiver operacional, os navios gaseiros vão atracar no terminal de GNL do Açu e a carga líquida será regaseificada para alimentar a termelétrica da GNA. O terminal terá capacidade de movimentar 42 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

Ferrari também destacou que a operação com a GNA conta com estrutura segundo a qual o BNDES entra com o crédito e o banco alemão KfW garante o risco da operação via fiança bancária em todo o ciclo de amortização do financiamento, que é de 14 anos. Ferrari disse que a modelagem feita com a GNA servirá de base para outras operações semelhantes no futuro, envolvendo parcerias com instituições em projetos de infraestrutura. Pelo acordo com o KfW, cabe ao banco alemão correr o risco da operação, o que envolve a eventualidade de inadimplência.

A reportagem tentou, mas não conseguiu contato com o KfW. Representantes do banco alemão estiveram, ontem, na sede do BNDES, no Rio, para a assinatura do contrato de financiamento com a GNA. Foi uma cerimônia privada com a presença do presidente do BNDES, Dyogo de Oliveira, e com executivos ligados aos acionistas da GNA: Prumo, BP e Siemens.

A superintendente da área de energia do BNDES, Carla Primavera, afirmou que o financiamento à UTE GNA I é uma operação importante para os dois bancos de desenvolvimento (BNDES e KfW). Carla afirmou que, além de acrescentar mais de 1,3 GW ao sistema elétrico, a térmica garante mais
segurança energética uma vez que está instalada no submercado da região Sudeste do país.

“Em um ambiente [de eventual] escassez de chuva, a térmica contribui para a segurança energética”, disse Carla. Ela afirmou que, do financiamento total do banco ao projeto, cerca de R$ 1,4 bilhão corresponde à construção da térmica e R$ 330 milhões à parte do banco na implantação do terminal de GNL. Há ainda R$ 53 milhões de financiamento para investimento em linha de transmissão.

Carla disse que a operação também representa uma inovação na relação do BNDES com o KfW. O banco de fomento brasileiro já fez captações com a instituição alemã no passado, mas é a primeira vez que o KfW oferece garantia para um financiamento do BNDES em projeto. A previsão é que o primeiro desembolso de recursos para a UTE GNA I ocorra no primeiro trimestre de 2019. Carla afirmou que o desembolso se dá de acordo com o andamento físico e financeiro do projeto. Segundo informações da GNA, na fase de construção das duas termelétricas serão gerados 4,5 mil empregos diretos e cerca de 10 mil indiretos. Os empreendimentos da GNA empregam hoje mais de 1,7 mil trabalhadores, sendo 70% de Campos dos Goytacazes e de São João da Barra, onde fica o Açu, porto que surgiu pelas mãos do empresário Eike Batista e que é controlado pela americana EIG.

Fonte: O Petróleo

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Abastecimento (26) Abiove (8) Acordo Internacional (23) Acrocomia aculeata (48) Agricultura (102) Agroenergia (119) Agroindústria (20) Agronegócio (115) Agropecuária (34) Água (1) Àgua (1) Alimentos (284) Amazônia (19) animal nutition (1) ANP (64) Arte (1) Artigo (26) Aspectos Gerais (177) Aviação (30) Aviation market (16) B12 (3) B13 (2) Bebidas (1) Bioativo (1) Biochemistry (5) Biocombustíveis (378) Biodiesel (268) Bioeconomia (57) Bioeletricidade (25) Bioenergia (165) Biofertilizantes (4) Biofuels (102) Bioinsumos (1) Biomass (7) Biomassa (85) Biomateriais (5) Biopolímeros (7) Bioproducts (2) Bioprodutos (15) Bioquerosene (36) Biotechnology (34) Biotecnologia (63) Bolsa de Valores (22) Brasil (11) Brazil (28) Cadeia Produtiva (14) Capacitação (7) Carbonatação (1) Carbono Zero (4) Carvão Ativado (6) CBios (47) CCEE (1) Celulose (6) Cerrado (12) Ciência e Tecnologia (284) Clima e ambiente (242) climate changed (42) CNA (1) Cogeração de energia (29) Combustíveis (84) Combustíveis Fósseis (26) Comércio (15) Consciência Ecológica (20) COP24 (76) COP25 (20) COP26 (4) Copolímeros (2) Cosméticos (27) Crédito de Carbono (38) Crédito Rural (2) Créditos de Descarbonização (22) Cultivo (113) Curso (3) Dados (1) Davos (3) Desafios (1) Desenvolvimento Sustentável (118) Desmatamento (1) Diesel (13) Diesel Verde (13) eco-friendly (4) Economia (65) Economia Circular (6) Economia Internacional (109) Economia Verde (169) Economy (30) Ecosystem (6) Efeito estufa (14) Eficiência energética (40) Empreendedorismo (3) Empresas (26) Energia (82) Energia Renovável (235) Energia Solar Fotovoltaica (16) Etanol (66) Europa (1) event (10) Eventos (113) Exportações (67) Extrativismo (49) FAO (2) Farelos (45) farm (1) Fibras (9) Finanças (4) Floresta (1) Floresta plantada (97) Fomento (9) Food (42) food security (7) forest (1) Fuels (26) Gás (3) Gasolina (1) Gastronomia (1) GEE (2) Glicerina (2) Global warming (98) Green Economy (125) health (22) IBP (1) Incentivos (4) Industry 4.0 (1) Ìnovaç (1) Inovação (78) Instituição (1) Investimento (1) IPCC (14) L72 (4) L73 (7) Legislação (6) Lignina (7) livestock (4) Low-Carbon (45) Lubrificantes e Óleos (20) Macaúba (556) Madeira (11) Mamona (1) Manejo e Conservação (90) MAPA (10) Matéria Prima (1) Meio Ambiente (171) Melhoramento e Diversidade Genética (67) Mercado (4021) Mercado de Combustíveis (57) Mercado Financeiro (9) Mercado florestal (64) Mercado Internacional (36) Metas (2) Milho (13) MME (25) Mudanças Climáticas (16) Mundo (35) Nações Unidas (1) net-zero (2) Nutrição animal (17) nutrition (9) Oil (50) Oleaginosas (81) Oleochemicals (8) Óleos (242) Óleos Essenciais (3) ONGs (1) ONU (7) Oportunidade (1) Oportunidades (1) other (1) Palma (16) Paris Agreement (85) Pecuária (73) Pegada de Carbono (77) Personal Care (3) Pesquisa (33) Petrobras (9) Petróleo (24) PIB (2) pirólise (3) Plant Based (15) Política (74) Preços (28) Preservação Ambiental (20) Produção Animal (6) Produção Sustentável (38) Produtividade (31) Produtos (150) Proteção Ambiental (6) proteína vegetal (28) Recuperação de área Degradada (41) Recuperação Econômica (3) Relatório (8) renewable energy (18) RenovaBio (50) Research and Development (10) Resíduos (3) SAF (3) Safra (1) Saúde e Bem-Estar (90) science and technology (46) Sebo (4) Segurança Alimentar (78) Segurança Energética (12) Selo Social (4) Sistema Agroflorestal (20) Sistemas Integrados (8) Soil (9) Soja (57) Solos (22) Sustainability (51) Sustainable Energy (66) Sustentabilidade (492) Tecnologia (24) Transportes (5) Turismo Sustentável (3) Unica (1) Vídeo (233) World Economy (76)

Total de visualizações de página