Buscar

Tecnologia espacial melhora cultivos na Terra

terça-feira, novembro 27, 2018


Resultado de imagem para agricultura espacial

A capacidade de trabalhar nessas escalas oferece aos cientistas mais oportunidades

As tecnologias utilizadas pela Agência Espacial Norte-Americana (NASA) para tentar cultivar alimentos no espaço estão trazendo benefícios para o cultivo agricola aqui no planeta Terra. Cientistas do John Innes Centre, do Instituto Earlham , do Instituto Quadram no Reino Unido, e da Universidade de Queensland melhoraram a técnica, conhecida como melhoramento genético rápido, adaptando para trabalhar em grandes estufas e câmaras de crescimento reduzidas. 
De acordo com eles, a capacidade de trabalhar nessas escalas oferece aos cientistas mais oportunidades do que nunca para produzir cultivos resistentes a doenças que sejam resistentes também a desafios climáticos e mais nutritivos para alimentar uma população mundial em crescimento. A pesquisa foi publicada na revista científica  Nature Protocols.
A melhoria rápida usa iluminação LED melhorada e regimes de um dia de até 22 horas para otimizar a fotossíntese e promover o rápido crescimento da cultura. Além disso a técnica também acelera o ciclo de reprodução das plantas. 
Ao encurtar os ciclos de reprodução, o método permite que cientistas e criadores de plantas façam melhorias genéticas aceleradas, como maior rendimento, resistência a doenças e maior tolerância a desafios climáticos em várias culturas, como trigo, cevada e canola. Luis Yanes, coautor do estudo e especialista em computadores do Instituto Earlham, disse que a maior vantagem do projeto é que vários cientistas podem colaborar. 
"Desenvolvemos tecnologias de acesso aberto, o que significa que qualquer outro pesquisador ou membro do público pode usá-lo para construir sua própria câmera para uma rápida melhoria. Este é um ótimo exemplo de como a colaboração de especialistas entre instituições pode levar a pesquisas inovadoras de classe mundial que têm impacto sobre o agronegócio e o consumidor", conclui.
Fonte: AgroLink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página