Buscar

Biotecnologia pode impedir a extinção do cacau

quinta-feira, março 29, 2018

Cultura sofre com maior temperatura global, erosão e contaminação do solo

Resultado de imagem para cacau
O avanço da biotecnologia e as pesquisas de melhoramento genético são as grandes esperanças para impedir a extinção do cacau. Fatores como o aumento da temperatura global, a erosão, a contaminação do solo e a crescente demanda pelo chocolate fazem cientistas acreditarem que o cacau será tão raro e caro quanto o caviar nos próximos anos. 
O cenário negativo faz com que pesquisadores invistam no melhoramento genético e na biotecnologia a fim de criar plantas mais resistentes ao clima e as pragas. Segundo Adriana Brondani, diretora executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), a transgenia é uma das formas mais poderosas de garantir a biodiversidade da planta. “Por meio dela podemos identificar e transferir genes que permitiriam a sobrevivência de espécies em condições antes inviáveis”, afirma.
O Brasil, que é um dos maiores produtores de cacau, está utilizando a ciência para desenvolver sementes que não sejam sensíveis ao fungo causador da vassoura-de-bruxa, praga que dizimou lavouras no fim dos anos 1980 e fez a produção despencar de 320 mil toneladas para 190 mil toneladas em 1991. Um estudo do Instituto de Biologia e do Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) descobriu que essa sensibilidade se deve a origem das sementes, que em sua maioria é da variedade forasteiro. Isso é importante porque tornou possível a identificação de árvores resistentes à doença e com maior variação genética.
Outra boa notícia é que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), prevê um crescimento de 8% do faturamento com o cacau em 2018 e a expectativa é de que a entrega da matéria-prima local à indústria aumente 10%. O Brasil pode ser imensamente beneficiado pelas pesquisas, já que o Pará, o maior produtor de cacau do país, tem uma média de 911 kg/hectare, o que já é bem maior que a média mundial de 550 kg/hectare.
Fonte: AgroLink

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (2) Alimentos (217) animal nutition (1) Aspectos Gerais (172) Aviação (24) Aviation market (13) Biocombustíveis (166) Biodiesel (68) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (82) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (19) Cerrado (1) Ciência e Tecnologia (172) Clima e ambiente (180) climate changed (20) Cogeração de energia (9) COP24 (75) COP25 (13) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (25) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (154) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (4) Energia (26) Energia Renovável (149) event (6) Eventos (70) Extrativismo (19) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) Fuels (16) Global warming (77) Green Economy (111) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (17) Macaúba (491) Manejo e Conservação (37) Meio Ambiente (78) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3830) Mercado florestal (42) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (209) other (1) Paris Agreement (56) Pecuária (59) Pegada de Carbono (40) pirólise (1) Plant Based (6) Política (49) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (22) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (72) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (34) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (284) Vídeo (193) World Economy (62)

Total de visualizações de página