Buscar

PRODUÇÃO DE BIODIESEL E TRIACETINA PELA INTERESTERIFICAÇÃO DE ÓLEOS VEGETAIS COM ACETATO DE ETILA

sexta-feira, junho 16, 2017



Resultado de imagem para oleo vegetal
A busca por fontes alternativas de energia como forma de reduzir o impacto ao meio ambiente e de frear os danos causados pelo aquecimento global tem estimulado o mercado de combustíveis limpos. Os biocombustíveis, como o biodiesel, representam uma alternativa renovável aos combustíveis fósseis. Nesse contexto, como consequência do crescimento da produção de biodiesel, aumenta-se também a produção de seus subprodutos. Dentre eles, a glicerina bruta é tratada principalmente como resíduo, em função do desequilíbrio entre oferta e demanda no mercado mundial e dos custos para viabilizar seus destinos tradicionais – cosméticos, por exemplo. Objetivando reduzir os problemas decorrentes do descarte inadequado de glicerol e tornar a produção de biodiesel mais rentável, a interesterificação de óleos vegetais com acetato de etila no lugar da tradicional transesterificação é proposta como uma rota promissora para a produção desse biocombustível. Produz-se triacetina como subproduto, que têm alto valor agregado e grande aplicação comercial, de agente plastificante e de gelatinização em polímeros até aditivo para melhorar viscosidade, fluidez e outras propriedades de combustíveis. Na reação, óleo vegetal reage com acetato de etila na presença de um catalisador homogêneo básico, o etilato de sódio. Foram feitos diversos testes variando-se a razão molar entre o óleo e o catalisador, obtendo-se um rendimento de 80% na melhor condição. Outras bateladas foram realizadas com casca de ovo e dolomita como catalisadores, com perspectivas positivas. Os mesmos serão caracterizados por técnicas como difração de raios X, espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), microscopia eletrônica de varredura e determinação das propriedades texturais por adsorção/dessorção de nitrogênio. Os produtos reacionais obtidos (biodiesel, triacetina e outros possíveis subprodutos) serão caracterizados por FTIR, ressonância magnética nuclear e técnicas cromatográficas (CG/FID e HPLC).

VEJA ARTIGO COMPLETO AQUI

Curta nossa página no Facebook!

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário!

Categorias

Total de visualizações de página