Buscar

Para o mercado, Temer é “irrelevante” e só um assunto interessa

terça-feira, junho 06, 2017

Escândalos deixaram o presidente de lado e mudou o foco dos investidores para quem deve assumir o Planalto no lugar de Temer, e como isso deve acontecer

São Paulo – O mercado financeiro parece ter absorvido muito bem a crise política que tem abalado o governo de Michel Temer nas últimas semanas.
O desempenho dos ativos da bolsa de valores e os movimentos recentes de dólar e da curva de juros futuros reproduzem o visão menos alarmista nos bastidores da bolsa brasileira.
O mercado já trabalha com um final prematuro do governo Temer e traça planos para a próxima gestão. Para o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, o presidente tornou-se “irrelevante” para o cenário político e econômico do país.
“A permanência ou saída do presidente Temer é irrelevante, porque o que importa é que a equipe econômica deve permanecer e todos agora estão interessados na aprovação ou não das reformas.”
Apesar da crise política ter abalado os planos de curto prazo para a economia do país, muitos investidores e corretoras apostam que a solução política para o atual momento deve ser menos traumática do que a saída da ex-presidente Dilma Rousseff.
A grande aposta é que ocorram eleições indiretas após a saída de Temer e que o novo governo tenha a mesma linha política e econômica do atual presidente, fator que ajuda a acalmar os ânimos do mercado.
O analista da Ativa Investimentos, Phillip Soares, acredita que a transição de governo desta vez deve ser mais suave.
“Em 2016, a saída de Dilma Rousseff representou uma mudança de modelo de governo. Agora, o Temer não deverá terminar seu mandato, mas uma eleição indireta traria mais chances de continuidade das diretrizes da atual gestão do país. O que mais interessa é se as próximas eleições serão diretas ou indiretas.”

Otimismo abalado

Os escândalos de corrupção envolvendo o presidente adiaram as perspectivas da retomada do crescimento da economia, mas não azedou o humor dos investidores e nem dissolveu completamente o otimismo.
André Perfeito ressalta que o governo Temer já estava enfrentando obstáculos para seguir com a pauta de reformas no Congresso e esse cenário não mudou, sendo a aprovação desses projetos no Congresso o grande foco do mercado.
“Cria-se um nervosismo com relação à crise política que precisa ser trabalhado. A reforma da Previdência já estava comprometida desde antes da crise e essa perspectiva não mudou.”
Para o economista da Gradual Investimentos, o momento atual do mercado deve ser de calma e espera. O otimismo dos investidores, que vinha dominando a cena na bolsa de valores e puxando o índice Ibovespa para próximo de patamares históricos, não foi embora.
“É claro que a bolsa caiu muito nas últimas semanas, mas não podemos esquecer que antes o índice estava subindo 52% neste ano, e essa alta não foi perdida. Outro ponto é que muitos indicadores, como o dólar por exemplo, estão hoje em patamares que as perspectivas do mercado para o final do ano já apontavam.”

Rating sob ameaça

Ainda que a crise do governo não tenha provocado fortes abalos entre os investidores, o mercado brasileiro começa a olhar para fora, na expectativa de um anúncio das agências de risco sobre os ratings do país.
No final de maio, a Moody’s alterou a perspectiva da nota Ba2 do país de estável para negativa, acompanhando a decisão da Standard & Poor’s de colocar o rating BB em revisão para um possível rebaixamento.

André Perfeito diz que é muito cedo para os investidores entrarem na discussão da nota de crédito do país. “Existem dois pontos que estão segurando o rating: o câmbio e os juros. Nesse sentido, é importante olhar para a estabilidade da equipe econômica, que em nenhum momento da crise política esteve sob ameaça de substituição.”
Já Roberto Indech, analista-chefe da Rico Investimentos, acredita que as chances de um rebaixamento da nota depende da confirmação da saída de Michel Temer, e sobretudo quando ela vai ocorrer.
“É natural essa resposta das agências de risco sobre os ratings diante de tudo o que acontece no país. Mas a saída do presidente é o fator que vai dizer se essa baixa na nota de crédito vai se concretizar.”

Fonte: Exame

Curta nossa página no Facebook!

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Acrocomia aculeata (3) Alimentos (219) animal nutition (1) Aspectos Gerais (175) Aviação (25) Aviation market (13) Biocombustíveis (169) Biodiesel (72) Bioeconomia (15) Bioeletricidade (2) Biofertilizantes (1) Biofuels (83) Biomass (7) Biomassa (49) Biopolímeros (3) Bioquerosene (18) Biotechnology (21) Biotecnologia (2) Brazil (20) Cerrado (2) Ciência e Tecnologia (174) Clima e ambiente (183) climate changed (21) Cogeração de energia (9) COP24 (76) COP25 (14) Cosméticos (19) Crédito de Carbono (26) Cultivo (96) eco-friendly (2) Economia Internacional (60) Economia Verde (156) Economy (25) Ecosystem (1) Efeito estufa (5) Energia (28) Energia Renovável (150) event (6) Eventos (72) Extrativismo (20) Farelos (27) farm (1) Fibras (8) Floresta plantada (62) Food (40) food security (1) forest (1) Fuels (16) Global warming (78) Green Economy (112) health (21) Industry 4.0 (1) IPCC (13) livestock (4) Low-Carbon (39) Lubrificantes e Óleos (18) Macaúba (497) Manejo e Conservação (39) Meio Ambiente (81) Melhoramento e Diversidade Genética (52) Mercado (3835) Mercado florestal (43) Nutrição animal (15) nutrition (9) Oil (42) Óleos (210) other (1) Paris Agreement (58) Pecuária (60) Pegada de Carbono (41) pirólise (1) Plant Based (6) Política (52) Produtos (140) proteína vegetal (21) Recuperação de área Degradada (23) renewable energy (10) Research and Development (7) SAF (1) Saúde e Bem-Estar (74) science and technology (25) Segurança Alimentar (34) Soil (7) Solos (8) Sustainability (36) Sustainable Energy (52) Sustentabilidade (290) Vídeo (193) World Economy (64)

Total de visualizações de página