Buscar

Brasil e Reino Unido investem R$ 19 mi em pesquisas sobre biocombustíveis

segunda-feira, novembro 14, 2016


Projetos serão desenvolvidos pelos próximos cinco anos e pretendem encontrar métodos mais eficientes para a obtenção de combustíveis renováveis

Num momento em que as atenções do mundo se voltam para a COP 22, a conferência da ONU sobre mudanças climáticas, que começou nesta semana e vai até o dia 18 de novembro, em Marrakesh, Marrocos, Brasil e Reino Unido dão mostras de que o tema deve pautar o desenvolvimento tecnológico nos próximos anos, tanto na Europa quanto na América do Sul.

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

Instituições dos dois países – a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Conselho de Pesquisa em Biotecnologia e Ciências Biológicas (BBSRC), pelo lado britânico - irão investir R$ 19 milhões em dois projetos de pesquisa voltados à produção de biocombustíveis avançados, menos poluentes, obtidos a partir de matérias-primas não convencionais e produtos químicos de alto valor.

Um dos estudos, liderado pela pesquisadora Telma Teixeira Franco, da Unicamp, e pelo professor da Universidade de Bath, na Inglaterra, David Leak, é focado na celulose e na hemicelulose, que são as principais componentes das plantas e, naturalmente, estão presentes em resíduos agrícolas, como bagaço e palha de cana-de-açúcar, de sorgo, gramíneas e restos florestais, por exemplo. O objetivo é encontrar métodos mais eficientes – financeira e tecnologicamente – para extrair desses materiais a molécula responsável pela rigidez deles, chamada lignina, e assim otimizar a fermentação, que é como se obtém o bioetanol e outros biocombustíveis.

“Queremos avaliar um processo de pré-tratamento que desenvolvemos muito diferente do que tem sido feito hoje e que permite evitar a contaminação por bactérias durante a fase de fermentação do açúcar, para obter não só etanol de segunda geração, mas também outros biocombustíveis avançados, como biodiesel e bioquerosene para aviação”, afirma Franco.

O segundo projeto será coordenado por Fábio Squina, pesquisador do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), e por Timothy David Howard Bugg, professor da University of Warwick, Inglaterra, e visa desenvolver novas rotas biotecnológicas para valorizar a lignina. “Nosso objetivo é desenvolver novos métodos para valorizar a lignina usando ácido ferúlico como intermediário e que esse composto antioxidante, encontrado nas folhas e sementes de plantas, como farelo de milho, arroz, trigo e aveia e usado pelas indústrias de cosméticos, possa ser convertido em outros compostos, como fragrâncias, princípios farmacológicos e aromas”, explica Squina.

Ao todo, as duas pesquisas serão desenvolvidas pelos próximos cinco anos.

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página