Buscar

Pesquisa da Embrapa contribui com o programa governamental Terra Boa

terça-feira, outubro 25, 2016

Área de pastagem à esquerda e área de soja à direita na Fazenda São Matheus, onde se adota o sistema ILP chamado Sistema São Mateus - Foto: Sílvia Z. Borges/Embrapa
Seminário Regional – Programa Terra é uma das ações do programa que tem como foco a recuperação de pastagens

Mato Grosso do Sul possui 16 milhões de pastagens plantadas. Dessas, cerca de 8 milhões estão em diferentes graus de degradação. "Esse valor é altamente significativo para a economia e o meio ambiente de Mato Grosso do Sul. Isso faz a produtividade da nossa pecuária ser baixa. A capacidade de suporte é extremamente baixa, 0,8 UA/ha [Unidade de Animal por hectare]. O rebanho bovino vem diminuindo, um dos motivos é devido a margem de lucro relativamente pequena. O Programa Terra Boa quer contribuir para começar a reverter esse cenário", disse o secretário Fernando Mendes Lamas, da Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar do governo estadual de MS, lembrando que um dos benefícios é a isenção do ICMS.

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

Segundo o secretário, "o governo é o indutor. Mas quem faz, efetivamente, a mudança são os produtores rurais e os técnicos", constatou. Sua fala foi na abertura do primeiro "Seminário Regional – Programa Terra Boa", realizado em Dourados, no Sindicato Rural, na semana passada, 19 de outubro, para profissionais da Assistência Técnica e Extensão Rural. Também falaram na abertura Os seminários estão sendo realizados em dez regiões de Mato Grosso do Sul para atender toda a rede de assistência técnica do Estado. Os seminários são nos seguintes municípios: Dourados (19/10), Ponta Porã (20/10), Campo Grande (25/10), Jardim (27/10), Coxim (9/11), São Gabriel do Oeste (10/11), Naviraí (16/11), Nova Andradina (17/11), Três Lagoas (23/11) e Chapadão do Sul (24/11). A ação é uma parceria do governo do Estado com Embrapa Agropecuária Oeste, Embrapa Gado de Corte, Famasul, Banco do Brasil, Sindicatos Rurais, Associação de Agrônomos, Crea/MS, Aastec/MS.

O objetivo desses seminários é proporcionar debates sobre tecnologias de recuperação. No primeiro seminário, a palestrante, pesquisadora Michely Tomazi, da Embrapa Agropecuária Oeste, destacou que a integração lavoura-pecuária (ILP) é uma das soluções para recuperar as pastagens e ainda ter a oportunidade de ganhar com a atividade lavoureira. "Não é só recuperar, mas saber manejar as pastagens", apontou. Michely deu uma sugestão que despertou interesse: o pecuarista fazer uma parceria com o agricultor, aproveitando a experiência de cada um. Ela explicou que se o pecuarista, inicialmente, "emprestar" ao agricultor a área de pastagem que precisa ser recuperada, sem cobrar arrendamento, ainda assim terá lucro. A rotação dos grãos (soja no verão e milho no inverno) com a pastagem já fornece nutrientes e matéria orgânica para melhorar o pasto. "Os dois saem ganhando", afirmou.

O produtor Paulo Jacinto Batezini de Souza, da Fazenda Ventania, em Dourados, MS, falou sobre as dificuldades e os benefícios de se implantar a ILP, já que na fazenda o foco maior sempre foi na agricultura. "Apesar da implantação ser um pouco difícil no começo, o sistema se torna rotineiro e de fácil condução", disse. Depois da implantação da ILP, ele conta que a capacidade de suporte da área melhorou. No verão, a lotação é de 5 a 7 UA/ha; no inverno, área de pasto fixo, 2,0 UA/ha; e os pastos de inverno que ficam de 3 a 5 meses na área, a lotação é de 3 UA/ha.
Benefício ambiental

fe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, destaca que os resultados da ILP em várias regiões de Mato Grosso do Sul, com diferentes tipos de solo e clima, apontam para a verticalização da produção pecuária com a recuperação das áreas degradadas e com a capacidade de suporte muito maior do que em média se alcança no Estado. "Em consequência, há não somente ganhos econômicos, técnicos, e agronômicos, mas fundamentalmente ambientais. Hoje esses ganhos ambientais ainda não são computados em renda para o produtor e para o Estado. Mas em um ambiente ideal, e é o que a gente imagina para o futuro, é que, além da verticalização da pecuária, com maior suporte e ganho de carne por hectare, haja também a possibilidade do produtor ser remunerado pelo benefício ambiental, que é o que conhecemos como serviço ambiental", alerta.

Outra aspecto levantado por Asmus, é que a recuperação de pastagens leva a maior produção de carne em menor espaço de área, o que leva ao abate do gado em menor tempo. "Isso significa, antes de mais nada, uma menor emissão de gases de efeito estufa. Quanto menos tempo o boi fica no pasto, o acabamento é mais rápido, e as emissões de gases de efeito estufa são reduzidas. Além disso, as pastagens melhoradas conseguem reter carbono no seu sistema radicular, incorporar carbono através de matéria orgânica no solo, que é o sequestro de carbono", explica o pesquisador e chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste.
Ele ainda lembra que, no caso da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS), os experimentos mais antigos têm 21 anos e os resultados são consistentes para dar suporte a programas governamentais. Atualmente, a Unidade em Dourados possui experimentos com ILPF em Dourados, Naviraí, Três Lagoas e Ponta Porã.

Parcerias
Para o secretário de Produção, Fernando Lamas, as parcerias são essenciais para colocar em prática as ações do Programa Terra Boa, que foi lançado em 8 de março deste ano. "O Programa foi concebido pelo governo do Estado ter a convicção que temos em Mato Grosso do Sul tecnologia que sustenta o Terra Boa, que é voltado fundamentalmente para a recuperação de áreas degradadas. Temos parceria com Famasul, Embrapa, Banco do Brasil, Sindicatos Rurais, Associação de Agrônomos, Crea/MS, Aastec/MS", relatou.

As pesquisas das Unidades da Embrapa em MS, segundo ele, possibilitaram a criação do Programa Terra Boa. "A Embrapa Agropecuária Oeste e a Gado de Corte geraram e têm gerado conhecimento que não deixam a menor dúvida que temos estratégias viáveis do ponto de vista econômico, social e ambiental para recuperar os 8 milhões de hectares de pastagens degradadas no Estado e, consequentemente, aumentar a produtividade da pecuária que é baixa, aumentar a produção de grãos, e mais do que isso, eliminar um passivo ambiental", destacou Lamas, dizendo que o Programa tem como objetivo promover e incentivar a recuperação de 2 milhões de hectares de pastagens degradadas em cinco anos.

O chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, que estava presente no lançamento da ação "Seminário Regional – Programa Terra Boa" diz que a Embrapa optou como um de seus temas prioritários a integração lavoura-pecuária "em que o sinergismo entre as duas é perfeitamente aplicável ao processo de recuperação de pastagens degradadas".

Fonte: Embrapa Agropecuária Oeste | Sílvia Zoche Borges

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Total de visualizações de página