Buscar

Paris 2016 destaca carros "verdes" sem deixar de priorizar SUVs

quinta-feira, outubro 13, 2016

O Salão do Automóvel de Paris, o mais longo entre as exposições internacionais e que se encerra no próximo dia 16, evidenciou a aposta da maioria dos fabricantes em modelos híbridos, híbridos plugáveis e elétricos.

Embora a indústria veja esse atual cenário como oportuno, ainda não se tem certeza de como os consumidores dos mercados mais maduros do hemisfério norte vão "abraçar a causa".

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

Nos elétricos, a autonomia tem aumentado, mas não há a segurança de recarga rápida e capilar. E por ainda demandar subsídios governamentais para trazer os preços a uma realidade aceitável, mesmo para compradores de alto poder aquisitivo, sobram dúvidas.
SUVs e crossovers

O mercado europeu continua a caminhar, até certo ponto, de forma contrária ancorado no baixo preço atual da gasolina e diesel. A crescente aceitação de SUVs e crossovers ficou marcada mais uma vez em Paris, apesar de significar aumento de consumo de combustível e, como consequência direta, de CO2.

Um dos modelos conceituais que chamaram atenção foi o BMW X2, um crossover compacto que segue a moda. Seu estilo, sem dúvida, é o mais atraente da gama X do fabricante alemão, que não revelou sua mecânica, mas deverá ser a do X1 de tração dianteira.

No outro extremo está o novo Discovery de sete lugares que, apesar das dimensões avantajadas, perdeu quase 500 kg por usar estrutura em alumínio.

Dois compactos, no entanto, roubaram a cena: Nissan March (Micra, na Europa) rompeu com o estilo convencional e ficou ainda mais ousado que o Kicks. A marca japonesa afirmou que o modelo ainda está distante de produção no Brasil e vai depender da recuperação do mercado aqui.

Mesmo discurso adotou a Citroën em relação ao novo C3 cuja renovação estilística é marcante. Mas tudo pode não passar de dissimulação, o tradicional "esconder o jogo". Sem dúvida, o cronograma de lançamento para estes dois modelos pode se dilatar, mas quem ficar parado no tempo corre o risco de se dar mal no futuro.

Sandero e Logan (Dacia na Europa) passaram a ter estilo um pouco mais refinado e, tudo indica, os Renault homônimos produzidos no Brasil -- e em 2017 também na Argentina -- não acompanharão.

O CH-R que de tão arrojado parecia ser um exercício de estilo estreou praticamente igual à forma original concebida e pode inspirar as linhas do futuro crossover que a Toyota produzirá no Brasil.

Novo Audi Q5 a ser feito no México dentro de alguns meses -- e, portanto, com preço competitivo aqui -- impressionou pelo desenho marcante que dá início à estratégia de diferenciar mais a linha de automóveis dos crossovers e SUVs. A Volks procurou demonstrar uma guinada tecnológica em direção à eletrificação e carros autônomos para virar a página em relação aos motores a diesel.

Sem lançamentos de impacto este ano em Paris entre os carros esporte, os Mercedes-AMG GT Roadster e C Roadster acabaram por roubar a cena. Tornaram-se a demonstração viva de que, embora o clima não ajude, sempre há espaço para conversíveis, mesmo que representem parcela quase simbólica das vendas totais.

Mas dessa liberdade os europeus não abrem mão.

Fonte: Uol

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Total de visualizações de página