Buscar

Mudanças climáticas ameaçam produção de alimentos e exigem adaptação da agricultura, diz ONU

sexta-feira, outubro 21, 2016

Em mensagem para o Dia Mundial da Alimentação, celebrado no último domingo (16), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou que os mais vulneráveis às mudanças climáticas são os que vivem na miséria. Cerca de 70% dos mais pobres dependem da agricultura de subsistência, pesca ou pastoreio para obter renda ou comida. Quase 800 milhões de pessoas passam fome no mundo, lembrou a FAO.
Seca na Etiópia em 2015 foi a pior em 30 anos, levando o país a uma crise alimentar que deixou milhares passando fome. Foto: UNICEF Etiópia / Tanya Bindra
Em pronunciamento para o Dia Mundial da Alimentação, comemorado no domingo (16), o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, alertou que a produção mundial de alimentosestá ameaçada pelas mudanças climáticas.

Os mais vulneráveis são os que vivem na miséria, alertou o chefe da ONU, que lembrou que 70% dos mais pobres dependem da agricultura de subsistência, pesca ou pastoreio para obter renda ou comida.

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

“Conforme a população global se expande, precisaremos satisfazer uma demanda crescente por alimentos”, destacou Ban.

“No entanto, em todo o mundo, temperaturas que quebram recordes de calor, níveis crescentes dos oceanos e secas e cheias mais frequentes e severas causadas pelas mudanças climáticas já estão afetando ecossistemas, a agricultura e a capacidade da sociedade de produzir a comidade de que precisamos.”

O dirigente máximo das Nações Unidas pediu a Estados-membros que incluam a adaptação da agricultura em seus planos de preparação para as transformações do clima. Segundo Ban, sistemas de produção de alimentos precisam se tornar mais resilientes, inclusivos e sustentáveis — o que exigirá mais investimentos no meio rural.

Para o secretário-geral, recursos disponibilizados para determinados setores agrícolas podem aumentar a renda e a produtividade de pequenos agricultores, retirando milhões da pobreza.

“Eles (os produtores familiares) ajudarão a reduzir as emissões de gases do efeito estufa e a preservar a saúde e o bem-estar dos ecossistemas e de todas as pessoas que dependem deles”, frisou o chefe da ONU.

“Eu apelo a todos os governos e seus parceiros que adotem uma abordagem holística, colaborativa e integrada para (lidar com) a mudança climática, a segurança alimentar e o desenvolvimento social e econômico igualitário”, enfatizou Ban.

Quase 800 milhões de pessoas passam fome

Em evento em Roma às vésperas do dia mundial (14), o brasileiro e diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, destacou que “alimentação é o direito humano mais básico”. “Porém, quase 800 milhões de pessoas ainda passam fome no mundo”, lamentou.

Graziano alertou que a Agenda 2030 ONU — que incluem a erradicação da fome e de todas as formas de malnutrição, bem como a promoção da agricultura sustentável — está em risco devido ao avanço das mudanças climáticas.

“Secas e enchentes estão mais frequentes e intensas. Vimos em primeira mão seus impactos terríveis nos últimos meses em que o El Niño atingiu a África, a Ásia e outras partes do mundo como o corredor seco da América Central. Nós também acabamos de testemunhar o dano extensivo causado pelo Furacão Matthew no Haiti”, afirmou o dirigente.

A respeito das principais vítimas de desastres naturais, o chefe da FAO ressaltou que a vasta maioria é de pequenos produtores e agricultores familiares que são os menos equipados para lidar com as ameaças. “Mesmo sob circunstâncias normais, essas pessoas mal conseguem sobreviver”, frisou.

Segundo Graziano, a próxima sessão do conselho da agência sob sua direção discutirá a criação de um novo departamento — dedicado ao tema e desafios das mudanças climáticas. Negociações recentes levaram a FAO a ser credenciada para participar do Fundo Verde para o Clima.

Também presente no encontro, a diretora-executiva do Programa Mundial de Alimentos (PMA) afirmou que as mudanças climáticas já estão sobrecarregando o sistema humanitário internacional financeira e operacionalmente “de tal modo que passar da ação de emergência em desastres para o gerenciamento de risco é uma tarefa urgente para todos nós”.

Fonte: ONU

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Categorias

Total de visualizações de página