Buscar

Mato Grosso triplica área de ILPF

quarta-feira, outubro 26, 2016

Aumento de sistemas integrados para 1 milhão de hectares se deve ao retorno econômico, biológico e ambiental das fazendas no Estado

Área experimental da Embrapa Sinop soma 612 hectares (Foto: Marcos Camargo/Ed.Globo)
Por Cassiano Ribeiro

Foi com a intenção de diversificar a propriedade que o agropecuarista Agenor Pelissa decidiu, em 2005, apostar numa ideia sobre a qual pouco se falava na época: trabalhar com grãos e pecuária ao mesmo tempo e na mesma área. Decidiu fazer a experiência em 100 hectares na Fazenda Dona Isabina, localizada no médio-norte de Mato Grosso, hoje uma das regiões que mais colhem grãos no Brasil. A área foi dividida em cinco módulos – dois foram ocupados com o gado o ano inteiro e três com lavoura no verão e boi na época de seca no Estado. Dois anos depois de ter iniciado a experiência, incorporou a floresta de eucalipto ao sistema. Hoje, Agenor adota a tecnologia de ILP em mais de 1.000 hectares.

Curta nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades do mercado da Macaúba!

Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) incentivaram o agricultor, que não se arrepende da escolha. Muito pelo contrário. “Com a floresta, além de melhorar o bem-estar do rebanho, depois de sete ou oito anos, ainda temos a madeira para explorar. Pensando na parte ambiental, financeira e na parte de estrutura da fazenda, onde dá para trabalhar com todos os componentes, percebemos que o projeto é viável”, diz ele. É tão viável que Agenor decidiu expandir as apostas sobre a tecnologia e a levou para outras propriedades que possui no Estado.

Com a adoção da ILPF, o produtor resolveu o problema da falta de comida boa para o gado na épocada seca. “O boi fica no período das chuvas numa área restrita, chamada de pulmão. E na seca, quando temos menos disponibilidade de forragens, temos a lavoura. O boi vai então para a roça e acaba comendo o resto das palhadas de milho ou milheto junto com a braquiária ruziziensis (pasto)”, explica. A Fazenda Dona Isabina virou objeto de estudo da Embrapa Agrossilvipastoril, de Sinop, do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MT).

As instituições compararam os resultados obtidos na fazenda de Agenor com outras de referência na mesma região. A conclusão é que o sistema foi determinante para que a fazenda tivesse lucro no final do período analisado (2005 a 2012), especialmente nos anos em que os preços dos grãos despencaram, como ocorreu em 2010, quando a oferta mundial de soja cresceu 48 milhões de toneladas no ano, pressionando para baixo as cotações do produto.

Pelos cálculos da Embrapa, do Imea e do Senar, para cada R$ 1 investido na fazenda de Agenor, houve lucro de R$ 0,35. Com isso, o Valor Presente Líquido (VPL) foi de R$ 230,21 por hectare na área em que adotou a ILPF. Já a fazenda que adota o plantio convencional de soja no verão e milho no inverno, usada como referência comparativa, teve prejuízo de R$115,97 por hectare.

O indicador considera a receita líquida descontado todos os custos, incluindo juros, remuneração de capital de terceiros e mão de obra. “Com ILPF, há uma diferença na profissionalização da agricultura.O produtor precisa dar conta de tudo o que tem na fazenda, avaliar e calcular de quem e onde vai comprar, por exemplo. Tudo isso impacta nos custos. Ou seja, o sistema exige uma organização muito maior do proprietário”, diz Julio César dos Reis, pesquisador da Embrapa.

A mesma comparação está sendo executada na região nordeste de Mato Grosso com a Fazenda Brasil, que em 2010 implantou a ILPF em 110 hectares, divididos em dez talhões. Depois do plantio da soja até o terceiro ano de início do projeto, o rebanho foi manejado para o terreno da lavoura e ficará nessa área até 2017, quando haverá o corte dos eucaliptos plantados. Depois, haverá novamente o plantio da soja.

Os resultados estão sendo levantados e, conforme projeção dos técnicos, a fazenda terá um retorno de R$ 0,89 para cada R$ 1 investido. O Valor Presente Líquido (VPL) deve ficar em R$ 370,60 por hectare, em comparação aos R$ 113,80 por hectare na fazenda com sistema convencional (soja + milho) usada como modelo para a pesquisa.

Salto da integração

Dono do maior rebanho nacional de bovinos e líder na colheita de grãos do Brasil, Mato Grosso tem tido cada vez mais agricultores entrando na pecuária, e vice-versa. Também cresce o número dos que incorporam ainda a silvicultura na mesma área onde há soja, milho e gado.

Levantamento preliminar realizado por uma consultoria contratada pela Embrapa mostra que os sistemas integrados ocupam uma área superior a 1 milhão de hectares no Estado do Centro-Oeste. Essa marca coloca Mato Grosso no topo do ranking nacional entre os que mais adotam a tecnologia.

O dado oficial, que mostrará a dimensão total da integração no país, será apresentado no próximo mês pelo governo brasileiro durante a Conferência do Clima (COP 22), em Marrakesh, no Marrocos, já que se trata de uma das principais ações para o Brasil atingir a meta de redução dos gases que causam o efeito estufa.

“O número de Mato Grosso veio dentro do que esperávamos. Já tínhamos uma estimativa, que considerava a venda de sementes da braquiária ruziziensis, que é um indicador indireto, porque sabemos que é uma variedade especificamente para a safrinha. Em março deste ano, apontava para 800.000 hectares”,explica o pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril Flavio Wruck.

A área com integração lavoura-pecuária (ILP) e com integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) em solo mato-grossense mais que triplicou nos últimos cinco anos (em 2010, era de 300.000 hectares), segundo monitoramento da Embrapa.

Segundo os pesquisadores, hoje a ILPF está espalhada por todo o Estado do Centro-Oeste, mas é nos polos mais fortes de grãos que os produtores têm apostado na alternativa. “Está havendo uma mudança de uso da terra na segunda safra. Às vezes, o produtor não faz integração, não põe boi na mesma área de grãos, mas faz a palhada. Isso está crescendo muito aqui no médio-norte, por exemplo. O lavoreiro está mais consciente de que precisa trabalhar e construir um perfil do solo”, diz o chefe-geral da unidade de Sinop, Austeclínio Farias Neto.

Com mais de 3 milhões de hectares destinados ao cultivo de soja anualmente, o médio-norte mato-grossense é a região que mais planta a commodity atualmente, sendo responsável por um terço do total colhido no Estado. É também uma das regiões com maior índice de produtividade de grãos e a que pode consolidar o maior crescimento da ILPF no futuro, estimam os pesquisadores.

Para Austeclínio, o aspecto técnico tem sido fundamental para o ganho de terreno da ILPF em Mato Grosso. “As vantagens são muitas, há ganhos biológicos com a associação de culturas ao longo do tempo, manutenção da estrutura de solo, principalmente acúmulo de matéria orgânica, e a parte econômica também é muito atraente”, afirma.

“Na integração, se o produtor tem 1.000 hectares e deste total destina 250 hectares para o gado e 750 hectares para grãos, automaticamente fica menos vulnerável à baixa de preços das commodities, e vice-versa. Sem contar os benefícios gerados quando há a incorporação do componente arbóreo (floresta)”, acrescenta.

Os pesquisadores constataram que só com o acúmulo de palhada na área com ILPF promove-se um aumento médio de cinco a sete sacas na produtividade da soja plantada na sequência da braquiária. Outro importante fator que faz a tecnologia se desenvolver no Cerrado é a capacidade de recuperação das pastagens degradadas, afirma o chefe da Embrapa.

Mato Grosso está entre os Estados com mais área passível de reforma. “Se o produtor optar pela reforma convencional, revolvendo o solo e adubando, isso com boi somente, demora muitos anos e não é economicamente viável. Custa de R$ 2.500 a R$3 mil por hectare”, afirma Austeclínio.

Fonte: Globo Rural

Veja também:

0 comentários

Agradecemos seu comentário! Volte sempre :)

Total de visualizações de página